Lucas Jackson/Reuters
Lucas Jackson/Reuters

Retrospectiva 2011: A retirada das tropas americanas do Iraque

Após quase nove anos de guerra, Obama encerra o polêmico e custoso conflito; Iraque ainda vive tensão

estadão.com.br,

20 de dezembro de 2011 | 21h03

BAGDÁ, 18 DE DEZEMBRO - Os Estados Unidos invadiram o Iraque em 2003 em busca de armas de destruição de massa, que nunca foram encontradas. O conflito, que levou à queda e à morte do ditador Saddam Hussein, também deixou mais de 4,4 mil soldados americanos mortos, o que originou inúmeras e ásperas críticas ao profundo envolvimento de Washington na guerra.

 

Veja também:
especial
LINHA DO TEMPO: A guerra do Iraque do início ao fim
especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional
tabela ESPECIAL: Veja a retrospectiva de 2011

 

O presidente Barack Obama prometeu durante sua campanha encerrar o conflito e, quase nove anos após o início da invasão, o democrata finalmente decretou a retirada completa do efetivo militar americano do país.

 

Conforme havia dito, fez com que todos os soldados retornassem antes do final de 2012, mantendo no país apenas homens para garantir a segurança de missões diplomáticas. A guerra foi formalmente encerrada no dia 18 de dezembro.

 

A retirada das tropas, porém, é questionada dentro e fora de Washington, uma vez que o Iraque ainda vive uma tensa realidade e que a capacidade das forças de segurança locais é questionável. O país ainda sofre constantes ataques e o fraco governo de coalizão mostra-se incapaz de administrar crises.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.