Feisal Omar/Reuters
Feisal Omar/Reuters

Retrospectiva 2011: Crise humanitária na Somália

Região do Chifre da África vive pior seca em décadas, matando milhares de pessoas por dia

estadão.com.br

20 de dezembro de 2011 | 10h00

CAMPO DE REFUGIADOS DE DADAAB, SOMÁLIA - A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou, em julho, um relatório sobre o número de mortes provocadas pela crise alimentar na região do Chifre da África, revelando que mais de 29 mil crianças com menos de 5 anos já haviam morrido nos três meses anteriores na Somália - uma média de 300 por dia, quase 15 por hora.

 

Veja também:

especialCAMPANHA: Saiba como ajudar

video VÍDEO: O relato do enviado especial Jamil Chade

mais imagens GALERIA: Combinação mortífera

tabela HOTSITE: Fome e crise humanitária na Somália

 

Segundo a entidade, 640 mil crianças somalis estão subnutridas e 3,2 milhões de pessoas - de uma população total de 7,5 milhões - precisam de ajuda imediata para sobreviver. No final do mesmo mês, foi declarada situação de fome em mais três regiões do sul da Somália, elevando a cinco o total de áreas atingidas. O número chegou em seis pouco mais de um mês depois.

 

A ONU calcula que dezenas de milhares de pessoas tenham morrido em decorrência do atual período de seca, o pior a afetar a Somália em 60 anos. O alto índice de crianças somalis com desnutrição aguda indica que o número de óbitos deve aumentar ainda mais se providências não forem tomadas.

Tudo o que sabemos sobre:
retro2011SomáliafomeÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.