Arquivo/AP
Arquivo/AP

Retrospectiva 2011: Forças americanas matam Osama bin Laden

Operação em Abbottabad, no Paquistão, colocou fim a caçada que durou quase dez anos

estadão.com.br,

20 de dezembro de 2011 | 10h00

ABBOTTABAD, PAQUISTÃO, 1º de MAIO - Osama bin Laden, líder da organização terrorista Al-Qaeda e mentor dos ataques de 11 de setembro de 2001, era o homem mais procurado do mundo. Os Estados Unidos o caçaram por anos, investindo trilhões de dólares em aparato militar e guerras - no Iraque e no Afeganistão. Uma recompensa milionária era oferecida por informações que levassem à captura.

 

Veja também:

especialESPECIAL: As franquias da Al-Qaeda

video TV ESTADÃO: Editor comenta morte de Bin Laden

especialESPECIAL: A trajetória do líder da Al-Qaeda

especialESPECIAL: Passo a passo da caçada

especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional
tabela ESPECIAL: 
Veja a retrospectiva de 2011

 

No dia 1º de maio, um domingo (manhã do dia 2, no Paquistão), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, convocou a imprensa para um pronunciamento de emergência, televisionado e acompanhado no mundo todo.

 

Ele, então, anunciou que as forças especiais americanas haviam matado o terrorista em uma missão bem sucedida em Abbottabad, no Paquistão, no que foi considerado uma grande vitória de Washington na luta contra o terrorismo. A popularidade de Obama chegou a subir logo depois do anúncio.

 

Mesmo antes da notícia ser oficialmente divulgada pelo presidente dos EUA, já se especulava nas redes sociais que o líder da Al-Qaeda havia sido morto. Um cidadão de Abbottabad chegou a escrever na rede de microblogs sobre uma incomum presença de helicópteros sobre a cidade. Sem saber, ele relatava a operação que mataria Bin Laden.

 

A morte do megaterrorista foi amplamente comemorada em todo o país e no mundo, especialmente pela coincidência com o 10º aniversário dos ataques contra os Estados Unidos, que aconteceria meses depois, em setembro.

 

Mesmo assim, muitas dúvidas ainda cercam o episódio. Há quem duvide inclusive de que o saudita tenha sido mesmo morto, já que não há imagens nem provas concretas do corpo divulgadas pelo governo. O cadáver, segundo Washington, foi sepultado no mar, como tentativa de evitar que o local de um eventual sepultamento se tornasse centro de adoração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.