Governo de Israel/Divulgação
Governo de Israel/Divulgação

Retrospectiva 2011: Troca de prisioneiros entre Israel e o Hamas

Soldado israelense Gilad Shalit foi libertado pelo Hamas após 5 anos em cativeiro em troca de 1.027 palestinos

estadão.com.br,

20 de dezembro de 2011 | 17h35

TEL AVIV (ISRAEL) E GAZA (FAIXA DE GAZA), 18 DE OUTUBRO - Israel e o grupo palestino radical Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2005, chegaram a um acordo no dia 11 de outubro para a libertação do soldado Gilad Shalit em troca de 1.027 palestinos detidos em Israel.

 

Veja também:

video TV ESTADÃO: Brasileiro relata captura de Shalit

blog PARA ENTENDER: O acordo entre Israel e o Hamas
blog PARA LEMBRAR: A captura de Gilad Shalit
tabela HOTSITE: A troca de detentos entre Hamas e Israel

especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional
tabela ESPECIAL: Veja a retrospectiva de 2011

 

Shalit estava nas mãos do grupo palestino desde 2006, quando foi capturado na fronteira com o território palestino. A partir de então, diversas tentativas de libertar o soldado - militares e diplomáticas - foram em vão. Uma semana após o anúncio do acordo - moderado pelo Egito e pela Alemanha, a troca ocorreu.

 

Em um processo demorado, os prisioneiros palestinos foram levados em grupos aos locais de soltura - alguns voltaram à Faixa de Gaza, outros foram para a Cisjordânia. No final daquela tarde, Shalit era recebido em Israel enfraquecido.

 

A libertação do militar foi encarada em Israel como assunto de segurança nacional. Por anos, a família e amigos do soldado fizeram uma intensa campanha pressionando o governo a fazer mais esforços para que ele fosse solto.

 

O militar, que declarou não ter sido maltratado durante o cativeiro, foi recebido pelo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, pelo ministro da Defesa, Ehud Barak, e por outras autoridades do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.