Réu em Haia, Taylor rejeita acusações

Ex-presidente da Libéria é julgado por crimes de guerra em Serra Leoa

AP e Reuters, HAIA, HOLANDA, O Estadao de S.Paulo

15 de julho de 2009 | 00h00

O ex-presidente da Libéria Charles Taylor depôs ontem no Tribunal Especial para Serra Leoa em Haia e defendeu-se das acusações de crimes de guerra e contra a humanidade, alegando ser um "pacifista e não um senhor da guerra canibal", como foi descrito pela promotoria.Presidente da Libéria entre 1997 e 2003, Taylor é acusado de 11 crimes, incluindo assassinato, escravidão sexual, tortura, uso de meninos soldados e terrorismo durante a guerra civil na vizinha Serra Leoa (1991 -2002), na qual apoiou os rebeldes. "Não sou culpado de todas essas acusações, nem mesmo de uma pequena parte delas", disse Taylor, elevando o tom. "Esse caso é formado por mentiras, falsidades e rumores." Assim como outros ex-líderes que enfrentaram julgamento - como o sérvio Slobodan Milosevic -, Taylor usou seu primeiro dia na corte como um palanque para discursar sobre a devoção a seu povo e para rejeitar as acusações contra ele. "Dizem que comi seres humanos. Como essas pessoas podem chegar a um nível tão baixo?", disse, rebatendo uma acusação feita por seu ex-segurança de que ele comia fígado humano. Preso em 2006, Taylor negou que tenha fomentado o sangrento conflito em Serra Leoa ou ajudado os rebeldes. Ele reconheceu apenas ter fornecido "pequenas quantidades de armas e munição" para a proteção do país. "Estávamos apenas preocupados em reerguer a Libéria. E isso só era possível com a paz em Serra Leoa."A promotoria convocou 91 testemunhas - algumas vítimas de mutilação - para provar que Taylor forneceu armas, dinheiro e apoio político aos rebeldes de Serra Leoa, em troca da riqueza mineral do país vizinho. Desde junho de 2007, quando o julgamento começou, muitas testemunhas falaram de suas experiências levando mensagens e armas do ex-líder para os rebeldes em Serra Leoa e, na volta, trazendo diamantes.Cerca de 500 mil pessoas foram assassinadas, mutiladas ou sofreram outras atrocidades - muitas delas cometidas por meninos soldados - durante o conflito em Serra Leoa.A defesa de Taylor deve durar várias semanas, já que seus advogados reuniram 200 testemunhas. Sua aparição no tribunal foi transmitida na Libéria e deu à população a possibilidade de ouvir pela primeira vez sobre o ex-líder desde que ele deixou o poder em 2003 e se exilou na Nigéria. A sentença deve sair em 2010. FRASESCharles TaylorEx-presidente da Libéria"Sou um pacifista e não um canibal. As pessoas me acusam de comer seres humanos. Como podem chegar a um nível tão baixo?"Joseph MarzahEx-segurança de Taylor"Soldados da ONU foram mortos e comidos pela milícia de Taylor"Testemunha 064Vítima de estupro"Rebeldes decapitaram meus filhos e vizinhos. E me obrigaram a carregar a cabeça deles"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.