Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Reunião com Irã começa bem, avalia agência nuclear

O primeiro dia de conversações com o objetivo de persuadir o Irã a enviar a maior parte de seu urânio enriquecido para o exterior terminou sem resultados, mas diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Monhamed El Baradei, afirmou, após o fim da sessão que as negociações "começaram bem".

AE-AP, Agencia Estado

19 de outubro de 2009 | 20h01

El Baradei afirmou que a maioria das questões técnicas haviam sido discutidas e que as partes irão se reunir novamente amanhã. "Nós tivemos uma reunião bastante construtiva nesta tarde", disse El Baradei. "Nós tivemos um bom início". As delegações falaram pouco após deixarem o encontro. O chefe da delegação iraniana, Ali Asghar Soltanieh, declarou apenas que endossava os comentários de El Baradei.

Antes do encontro, a televisão estatal iraniana citou funcionários não identificados do governo dizendo que a República Islâmica pretende manter o enriquecimento de urânio e comprar o que precisar para o reator do exterior.

Uma fonte disse que o Irã considerava os Estados Unidos, a Rússia ou a França como fornecedores, uma posição que deve prejudicar as conversações, já que Estados Unidos e França querem um compromisso do Irã para o envio de seu material para o exterior para novo enriquecimento.

A recusa do Irã em abrir mão desses estoques também pode atrapalhar a possibilidade de uma segunda rodada de negociações entre Teerã e o sexteto, grupo formado Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha.

As conversações de hoje tiveram como objetivo implementar o que representantes ocidentais afirmam que foi combinado durante as negociações em Genebra: permitir que um país estrangeiro - muito provavelmente a Rússia - transforme a maior parte do urânio de baixo enriquecimento iraniano em combustível com maior enriquecimento para o reator iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.