Reunião de dirigentes em Doha pede fim da violência

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, dirigentes europeus e de países muçulmanos fizeram neste sábado um apelo para a "contenção" e o "fim imediato" da violência, ressaltando também a importância da liberdade de expressão, desde que utilizada com responsabilidade.A mensagem faz parte de um documento aprovado na capital do Catar, após reunião convocada para analisar a crise provocada pela publicação de charges de Maomé em jornais europeus e a conseqüente onda de violência em vários países muçulmanos.A reunião resultou numa "estratégia conjunta" de medidas para tentar acalmar a crise atual e evitar que se repita.O texto deve ser apresentado pelo secretário-geral da ONU para a Assembléia Geral e o Conselho de Segurança, e para a União Européia.O chefe da diplomacia espanhola, Miguel Ángel Moratinos, se comprometeu a informar o conteúdo do texto na reunião de ministros de Assuntos Exteriores da UE, prevista para segunda-feira em Bruxelas e se mostrou convencido de que a Europa "tomará nota" do documento estipulado.Participaram do encontro o secretário-geral ibero-americano, Enrique Iglesias, e os secretários-gerais da Liga Árabe, Amro Moussa, e da Organização da Conferência Islâmica, Ekmeleddin Ihsanoglu.No texto, os dirigentes reafirmam o direito ao protesto pacífico e felicitam à "imensa maioria" de pessoas que protestou pela publicação das caricaturas de maneira pacífica.Também há um pedido à sociedade para que "resista à provocação e à violência" e a todos os líderes religiosos para que "utilizem sua influência para promover valores e crenças universais compartilhados por todos"."Achamos que todos os direitos devem ser exercidos de maneira responsável; nem os meios de comunicação, nem as publicações, nem os lugares de culto devem ser utilizados para incitar ou aumentar o ódio", ressalta o texto.DebateQuestionado sobre as razões pelas quais a União Européia não participou da reunião, Moratinos explicou que é membro da UE e que a ministra de Exteriores austríaca pediu que relatasse o conteúdo do encontro.Annan, por sua vez, assegurou que esteve em "estreito contato" tanto com Solana como com Plassnik, que expressaram seu apoio à iniciativa e pediram que sua ausência não seja interpretada como "uma falta de interesse" por parte da UE.Em declarações no fim da reunião, Moratinos se mostrou certo de que a UE levará em conta o comunicado e expressará seu posicionamento sobre o tema."Devemos expressar a solidariedade com os membros da UE e ao mesmo tempo buscar uma maneira de reforçar o diálogo e evitar conflitos ou o denominado choque de civilizações", acrescentou.A reunião de alto nível aconteceu um dia antes do início da segunda jornada de trabalho do Grupo de Alto Nível (GAN), designado pelo secretário-geral da ONU para dar início a iniciativa da Aliança de Civilizações.A partir de amanhã e ao longo de dois dias, o grupo de 19 dignitários co-presididos pelo ex-diretor da Unesco Federico Maior Zaragoza, e o ministro de Estado da Turquia, Mehmet Aydin, vai elaborar um programa de medidas concretas que deve ser apresentado à ONU.Os integrantes do GAN se reuniram pela primeira vez em novembro, e deverão manter outros dois encontros antes de apresentar o relatório final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.