Riccardo Dalle Luche/ANSA via AP
Riccardo Dalle Luche/ANSA via AP

Reunião de ministros do G-7 começa na Itália com olhar voltado para Síria

Ministros de Relações Exteriores discutirão crise no país e como derrotar o grupo terrorista Estado Islâmico; encontro serve de preparação para a cúpula de chefes de Estado e governo do G-7 em maio

O Estado de S.Paulo

10 Abril 2017 | 16h28

ROMA - Os ministros e representantes das Relações Exteriores dos países do G-7 se reúnem nesta segunda-feira, 10, e na terça-feira na cidade de Lucca, na Itália, para discutir a situação na Síria e analisar como derrotar o grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

A reunião contará com a presença do ministro de Assuntos Exteriores da Itália, Angelino Alfano; do secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson; do ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Gabriel Sigmar. 

Também estarão no encontro os titulares de Relações Exteriores de França, Jean Marc Ayrault; Reino Unido, Boris Johnson; Japão, Fumio Kishida; Canadá, Chrystia Freeland; e a alta representante da União Europeia para Assuntos Exteriores, a italiana Federica Mogherini.

As reuniões, que servirão de preparação para a cúpula de chefes de Estado e governo do G-7 em maio na cidade de Taormina, na Sicília, acontecem em um momento de grande inquietação entre os países ocidentais pela ameaça terrorista e os conflitos no Oriente Médio.

A Síria, de fato, será um dos pontos-chave do programa, especialmente depois do recente ataque aéreo dos Estados Unidos contra a base de Shayrat, na cidade síria de Homs, após o suposto uso de armas químicas por parte do regime de Bashar Assad.

A preocupação dos países do G-7 pelo conflito sírio é tal que o ministro do Interior italiano convocou seus equivalentes de Turquia, Emirados Árabes, Arábia Saudita, Jordânia e Catar para realizar outra reunião paralela que acontecerá na manhã de terça-feira.

A decisão de organizar esta sessão foi tomada pelo chefe da diplomacia italiana em consenso com seus colegas de Alemanha, Reino Unido e França.

Além da crise na Síria e da ameaça do terrorismo jihadista, os titulares de Assuntos Exteriores também falarão sobre a instabilidade na Líbia, sobre a intenção da Coreia do Norte de continuar desenvolvendo seu programa nuclear e balístico, das relações com a Rússia e da crise na Ucrânia.

Em menor medida, embora também presentes, estarão questões relativas à situação no Iraque e à integração plena do Irã na comunidade internacional.

Lucca foi blindada para a ocasião e policiais e integrantes da unidade antiterrorista patrulham as ruas e realizam controles nos acessos ao centro da cidade, cuja entrada foi limitada aos cidadãos com permissão especial concedida pela prefeitura. / EFE

Mais conteúdo sobre:
G-7 Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.