Pavel Mikheyev/AP
Pavel Mikheyev/AP

Reunião sobre programa nuclear foi positiva, diz Irã

Para Saeed Jalili, nova oferta sobre compromisso é mais realista do que ideias propostas no passado

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2013 | 09h05

ALMATY - As negociações do Irã com as potências mundiais sobre como conter o programa nuclear de Teerã deram uma reviravolta para melhor após quase fracassarem no ano passado, afirmou Saeed Jalili, o secretário do Supremo Conselho Nacional de Segurança, ao final da reunião de dois dias destinada a impedir que Teerã construa um arsenal nuclear.

Ainda que cautelosamente otimista, Jalili disse que uma nova oferta feita nesta semana pelas potências mundiais sobre um compromisso é mais realista do que as ideias propostas no passado. Ele descreveu a nova oferta - incluindo um certo alívio nas sanções internacionais - como um passo para construir a confiança entre os dois lados, tendo em vista que a última rodada de negociações, em Moscou, em julho, quase fracassou.

"Nesta rodada de negociações, temos visto que, apesar de todas as atitudes dos últimos oito meses, eles tentaram se aproximar de nossos pontos de vista", disse Jalili a jornalistas no final do segundo dia de negociações na maior cidade do Casaquistão. "Nós acreditamos que esta é a reviravolta".

Jalili não detalhou como as sanções serão amenizadas ou o que o Irã estaria disposto a fazer em troca. Mas ele não abriu mão de uma das principais reivindicações iranianas (e um ponto de discórdia nas negociações): o direito de enriquecer urânio a 20%. Este nível deixa Teerã a poucos passos de ser capaz de converter o material em ogivas nucleares.

"Tudo o que precisamos, é claro que vamos perseguir. Sejam 5% ou 20%", disse Jalili. "É importante, para nós, ter os 20%". A líder de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, que está conduzindo as negociações, recusou-se a discutir os termos do acordo potencial.

"Espero que os iranianos estejam analisando positivamente as propostas que nós oferecemos", disse Ashton. "Vamos ter de ver o que acontecerá", afirmou.

A reunião desta semana deve ser seguida por outras negociações de nível técnico em Istambul, no dia 18 de março, e outra rodada de discussões em Almaty, entre 5 e 6 de abril, confirmaram autoridades de ambos os lados. "Consideramos que a (próxima) negociação como um passo positivo que poderá ser finalizado por uma abordagem positiva e construtiva e uma tomada de medidas recíprocas", afirmou Jalili.

Os cinco integrantes permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas - China, França, Rússia, Reino Unido e EUA - mais a Alemanha, conhecido como o grupo P5 +1, estão pressionando o Irã a se comprometer com um processo nos próximos meses e acabar com o que eles consideram como elementos ameaçadores do seu programa nuclear.

As informações são da Dow Jones e da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.