Reuters denuncia abuso contra funcionários no Iraque

A agência de notícias britânica Reuters informa que três de seus funcionários iraquianos foram espancados e humilhados durante o período em que estiveram detidos num campo militar perto de Faluja, em janeiro. Depois de serem liberados, os homens contaram à empresa sobre os maus-tratos, mas só decidiram vir a público depois que autoridades americanas disseram não haver indícios de abuso e de surgiram as notícias sobre o presídio de Abu Ghraib, em Bagdá.A Reuters cita os homens dizendo que foram espancados e forçados em situações humilhantes, enquanto soldados riam e tiravam fotos. Os iraquianos teriam sido forçados a, entre outras coisas, inserir dedos no ânus e depois lambê-los. ?A investigação dos americanos neste caso permanece totalmente insatisfatória no que nos diz respeito?, declarou Susan Allsopp, porta-voz da Reuters em Londres. Antes que as fotos de Abu Ghraib fossem divulgadas, os militares americanos haviam dito que não havia qualquer evidência de abuso contra os funcionários da agência de notícias. A Reuters diz ter recebido, na segunda-feira, uma carta do general Ricardo Sanchez, comandante das forças no Iraque, dizendo acreditar que a investigação sobre o caso foi ?minuciosa e objetiva?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.