Revelações de documentos vazados eram previsíveis, diz Afeganistão

Governo se surpreendeu com quantidade do material - foram mais de 91 mil relatórios

estadão.com.br

26 de julho de 2010 | 12h29

CABUL - O conteúdo dos documento confidenciais sobre a guerra no Afeganistão, em particular os referentes às mortes de civis causadas pelas tropas internacionais e os vínculos entre os insurgentes e os serviços de inteligência do Paquistão, eram previsíveis, disse nesta segunda-feira, 26, o governo de Cabul. As informações são da agência AFP.

 

Veja também:

linkDocumentos revelam detalhes sobre guerra no Afeganistão

linkWikileaks: documentos denunciam crimes de guerra

linkEUA condenam vazamento de informações

linkOtan espera que informações não afetem progresso

linkChacra: Aliado dos EUA ajuda o Taleban

 

"O que nos chocou foi a quantidade enorme de documentos revelados. Seu conteúdo, porém, não nos surpreendeu", disse um porta-voz do presidente Hamid Karzai. "Os temas que estamos analisando com maior atenção são as baixas civis desmentidas e ps relativos ao serviço secreto de países como o Paquistão", concluiu.

 

O material, divulgado pelo site Wikileaks.org e publicado pelos jornais New York Times, The Guardian e Der Spiegel, revela detalhes minuciosos da guerra empreendida pelos EUA e pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) desde 2001 e consiste em um dos maiores vazamentos de documentos secretos da história americana.

 

Os mais de 91 mil documentos secretos relacionados à guerra do Afeganistão revelam um grande crescimento da força da insurgência Taleban e que as tropas do Paquistão estão ajudando os rebeldes no território afegão. A Otan se recusou a comentar a divulgação das informações. Os EUA já condenaram a divulgação desses documentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.