'Revelações' foram feitas sobre morte de Bhutto, diz Paquistão

Um adolescente queconfessou ser um homem-bomba reserva para a equipe responsávelpor assassinar Benazir Bhutto fez "revelações" a respeito damorte da líder oposicionista, afirmou na terça-feira umporta-voz do Ministério do Interior do Paquistão. Aitezaz Shah, 15, e seu "guia" militante foram detidos nacidade de Dera Ismail Khan (noroeste), na quinta-feira, e Shahcontou aos investigadores que seria o próximo a ser convocadopara matar Bhutto caso seu antecessor fracasse. "Shah fez algumas revelações a respeito do assassinato deBenazir Bhutto", disse em uma entrevista coletiva Javed IqbalCheema, porta-voz do Ministério do Interior. Bhutto morreu em um ataque realizado com arma de fogo eexplosivos quando saía de um comício ocorrido na cidade deRawalpindi, no dia 27 de dezembro. As informações dadas pelo adolescente permitiram aosinvestigadores prenderem Sher Zaman. Explosivos e detonadoresforam encontrados na casa desse último, afirmou Cheema. O porta-voz não forneceu detalhes a respeito das"revelações" e advertiu que as informações vindas dos doispresos tinham ainda de ser confirmadas. Detetives da Scotland Yard (da Grã-Bretanha), que oPaquistão convidou para participarem das investigações sobre amorte de Bhutto, poderão interrogar Shah e o mentor dele, SherZaman, disse Cheema. Dentro do Paquistão, há muita desconfiança a respeito dasinvestigações sobre o assassinato de uma líder da oposição coma qual o presidente Pervez Musharraf teria dificuldade deconviver caso fosse eleita primeira-ministra. Depois da mortedela, o pleito acabou sendo remarcado para o dia 18 defevereiro. O pedido de ajuda feito à Scotland Yard foi interpretadopor alguns como uma tentativa de convencer a opinião pública daseriedade das investigações. Segundo Cheema, a equipe britânica regressou para a Europa,mas deve desembarcar novamente no Paquistão dentro de algunsdias a fim de apresentar seu relatório final. Shah disse aos investigadores ter sido enviado por umclérigo de Karachi para o Waziristão do Sul, uma região tribalinstável, onde treinou junto com militantes leais a BaitullahMehsud para tornar-se um homem-bomba. Mehsud é um comandante doTaliban que mantém laços com a Al Qaeda. O adolescente também repetiu os nomes de homens mencionadosem uma conversa telefônica mantida por Mehsud e um aliado dele.Essa conversa foi interceptada por autoridades paquistanesas eo teor dela acabou sendo divulgado para corroborar a tese deque o comandante do Taliban tinha ordenado o ataque. Os EUA também afirmaram que as provas indicavam aparticipação de Mehsud no atentado. No entanto ainda há dúvidas sobre se a prisão de Shah eSher Zaman representava um avanço real. "Evidentemente, tudo isso parece ser conveniente demaispara os investigadores, algo feito sob medida", escreveu em umeditorial publicado na terça-feira o The News, o maior jornalem inglês do Paquistão. A publicação disse ainda que mesmo sendo verdadeiras asinformações, os paquistaneses estavam tão pouco propensos aacreditar nas autoridades que as teorias conspiratóriascontinuariam circulando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.