Revisão de segurança foi rejeitada em abril

CENÁRIO: Dezenas continuam presos no subterrâneo de uma mina de carvão na Turquia, mais um incidente que ressalta a péssima segurança do setor de mineração do país e a alegada indiferença do governo quanto ao problema. Depois da explosão de um transformador de eletricidade, o que provavelmente provocou um incêndio e deixou fora de serviço o principal elevador da mina de Soma, na Província de Manisa, os mineiros viram-se presos a quase dois quilômetros da superfície.

Alexander Miller, CSMonitor/O Estado de S.Paulo

15 Maio 2014 | 02h07

Em outubro, o principal partido de oposição do país entregou petição ao governo exigindo que fossem investigadas as condições da mina, mas o pedido foi rejeitado 20 dias antes do acidente. "Ocorrem acidentes com mortos e feridos a cada três meses em Soma", disse Ozgur Ozel, vereador da cidade e membro do Partido Republicano do Povo, de oposição. "Como membros do Legislativo de Manisa estamos fartos de participar de funerais de mineiros. Nem nós nem as famílias conseguem mais aguentar essa dor." Depois de a petição ser recusada, Ozel voltou a manifestar sua preocupação perante a Assembleia Nacional da Turquia no dia 30. Afirmou que em dez inspeções para verificação da segurança da mina, 66 infrações foram anotadas, mas nenhuma multa foi imposta.

A Turquia é conhecida há muito tempo pelo descaso com a segurança. As autoridades do país com frequência referem-se a esses acidentes como sacrifícios inevitáveis que fazem parte de um trabalho difícil. Em 2010, depois que 28 mineiros morreram em uma mina perto de Zonguldak, na costa do Mar Negro, o premiê Recep Erdogan afirmou que tais mortes eram parte do "destino" da comunidade mineira. "As pessoas da região estão acostumadas a acidentes como esse" declarou ele num discurso diante da mina. "Os trabalhadores dessa profissão sabem que esses acidentes podem ocorrer." Seus comentários desencadearam protestos na cidade. Independentemente da sua resposta à última tragédia, é quase inevitável que o acidente seja debatido na classe política.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.