Revisionismo promove visão positiva de Stalin

As tentativas do presidente Dmitri Medvedev e do premiê Vladimir Putin de impulsionar o nacionalismo para recuperar o orgulho do povo russo começam a mostrar seus primeiros efeitos com o aumento da admiração pelo ditador soviético Josef Stalin (1924-1953). Mais de 50 anos após o fim de seu regime, Stalin é lembrado mais como o herói que transformou a Rússia em uma superpotência do que como o tirano responsável pela morte de milhões de pessoas.

AE, Agencia Estado

22 de março de 2009 | 09h57

?Nos últimos anos, o governo tem tentado reconstruir a imagem da Rússia como um Estado forte, livre da humilhação sofrida após a queda da União Soviética, e Stalin personifica todo o poder que o país tinha?, afirmou ao Estado, por telefone, a analista política Maria Lipman, do Instituto Carnegie Endowment para Paz Internacional, de Moscou. ?A admiração por ele é quase natural na Rússia.?

No início do mês, defensores dos direitos humanos mostraram-se preocupados com a simpatia que a figura do ditador ainda desperta em muitos russos e chegaram a pedir um programa de ?desestalinização? da Rússia. No fim do ano passado, em um concurso para escolher a figura histórica que mais bem representava a Rússia, Stalin recebeu 520 mil votos, conquistando o terceiro lugar da disputa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
revisionismoRússiaJosef Stalin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.