Revista faz nova ligação de Chávez com as Farc

Caracas também estaria envolvida com o narcotráfico, diz a ?Cambio?

AP E REUTERS, BOGOTÁ, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2009 | 00h00

Uma reportagem da revista colombiana Cambio publicada ontem afirma que o governo do presidente Hugo Chávez está envolvido em operações feitas da Venezuela por narcotraficantes ligados às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Na semana passada, Caracas já havia sido acusada de repassar armamento sueco para a guerrilha. Segundo a revista, o general venezuelano Hugo Armando Carvajal, diretor do serviço de inteligência do país, é quem entrega armas e equipamentos às Farc. Carvajal, que é acusado pelos EUA de vínculo com a guerrilha, está também envolvido em operações feitas em solo venezuelano por narcotraficantes. Dois ex-membros do governo venezuelano, de acordo com a Cambio - Henry de Jesús Rangel, ex-diretor da polícia secreta, e Ramón Emilio Rodríguez Chacín, ex-ministro do Interior e da Justiça -, também estão envolvidos com os narcotraficantes e as Farc.Uma das fontes que ajudou a revista a documentar as denúncias é Germán Arturo Rodríguez Ataya, piloto capturado em 2005, que trabalhava no transporte de drogas e de guerrilheiros feridos em operações militares. Ataya deu as coordenadas de bases das Farc em território venezuelano e entregou fotografias dos contatos feitos com oficiais da Guarda Nacional da Venezuela, que entregavam o armamento aos rebeldes por ordem do general Carvajal.Oficiais do serviço de secreto colombiano, que tiveram acesso a dados obtidos por autoridades americanas, afirmaram à revista que um dos negociadores de Chávez, responsável pela mediação com o grupo, visitou Pedro Antonio Marín, o Tirofijo, número 1 das Farc morto em março de 2008. A Cambio afirmou ainda que informações obtidas pela Colômbia comprometem também ex-assessores de confiança do presidente do Equador, Rafael Correa - entre eles o major Manuel Silva, ex-chefe de polícia, que confirmou a existência de encontros entre o ex-ministro de Interior equatoriano Gustavo Larrea com as Farc. O documento pode servir para processar Larrea, caso Correa cumpra o que prometeu. "Se provarem que Larrea se reuniu com as Farc, eu mesmo promoverei um processo por traição contra ele", disse Correa.SAMPER EM CARACASChávez reuniu-se ontem em Caracas com o ex-presidente colombiano Ernesto Samper. Os dois conversaram sobre a crise bilateral causada pelo acordo militar entre Colômbia e EUA. "Aqui não há mediadores, a única saída para normalizar as relações é se a Colômbia desistir de entregar seu território aos EUA", disse Chávez, insistindo que o encontro foi solicitado por Samper. Mas a Radio Caracol, de Bogotá, disse que o convite partiu de Caracas. VAI E VEM 2007 - Uribe retira Chávez da condição de mediador na libertação de reféns. Em resposta, Chávez congela relações com a Colômbia 2008 - Operação militar colombiana no Equador mata Raúl Reyes, número 2 das Farc. Chávez e Correa enviam tropas para a fronteira e rompem relações com Bogotá 2009 - Uribe anuncia acordo militar com EUA e denuncia que armas compradas pela Venezuela foram achadas com as Farc. Chávez congela novamente relações com Bogotá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.