Revival dos bondes não está dando certo na Inglaterra

Os esforços britânicos para reviver o bonde elétrico, facilitando o trânsito urbano e reduzindo a poluição, foram excessivamente caros e fracassaram, até agora, em seduzir os passageiros a abandonar os carros. É o que mostra um estudo divulgado hoje em Londres.Comparado aos bondes da França e da Alemanha, o sistema de transporte sobre trilhos inglês está mal integrado ao transporte público em geral e nem sempre conecta áreas de maior necessidade, segundo do relatório do National Audit Office.O número de passageiros nas cidades inglesas é geralmente menor do que deveria, ainda segundo o relatório. Na cidade de Sheffield, norte do país, por exemplo, está 45% abaixo do previsto.Sete desses sistemas foram instalados na Inglaterra desde 1980 e o governo acreditava que mais 25 novas linhas poderia ser construídas até 2010. Doze estão sendo executadas, mas obstáculos maiores ? incluindo custos altos e extensão do planejamento aprovado ? impedem futuras expansões. Três da linhas estão dando prejuízo, aponta o estudo, e isto desencoraja o investimento privado em novos empreendimentos.?Se mais sistemas forem financiados pelo setor privado, os custos de construção podem baixar e as operações ficar em uma base financeira consoante?, diz Sir John Bourne, chefe do National Audit Office.O governo já contribuiu com mais de US$ 1,8 bilhão para os US$ 4 bilhões de investimentos necessários para custear os sete sistemas existentes.O relatório compara os sistemas britânicos com os existentes em Lyon e Grenoble, na França, e os de Freiburg e Karlsruhe, na Alemanha. E conclui que esses sistemas são muito mais usados, melhor situados e mais ligados aos outros tipos de transporte.Parte da vantagem das cidades francesas e alemãs repousa em suas avenidas largas, onde o sistema sobre trilhos pode ser separado do tráfego de carros e mover-se mais rápido e mais eficientemente.?Os sistemas francês e alemão estão embutidos numa rede de transportes públicos totalmente integrada?, diz o estudo. ?Os horários são coordenados e todas as cidades têm bilhetes integrados, facilitando jornadas sem interrupção.?Na França e Alemanha, o sistema de transporte sobre trilhos conecta hospitais, universidades, áreas de comércio e shopping centers, enquanto que na Inglaterra, alguns dos sistemas seguiram velhas linhas de trem, muito distantes dos centros de tráfico.O sistema inglês sobre trilhos transporta cerca de 140 milhões de passageiros por ano e, embora seja menos do que o previsto, isto significa um aumento de 47% desde 1999. A única história de sucesso do sistema inglês é o Metrô de Manchester, no norte da Inglaterra, que atraiu tantos passageiros que vive lotado nos horários de pico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.