AFP
AFP

Revolta de Maio de 68 foi grito de liberdade dos jovens

'Foi a rebelião de uma fração da juventude e marca a chegada dos jovens como atores sociais que se mobilizam e agem para transformar a sociedade', diz autora de 'A Violência Revolucionária' e 'A França Rebelde'

Andrei Netto, enviado especial / Frankfurt, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2018 | 05h00

FRANKFURT - A independência e a autonomia da juventude são um marco de 1968. Até os protestos contra a Guerra do Vietnã, a Primavera de Praga, e Maio de 68 os jovens viviam sujeitos aos valores da família patriarcal. Para eles, lutar por liberdades individuais era mais importante do que a revolução política. O papel da juventude nas revoltas dos anos 60 é tema central para pesquisadores que estudam o movimento.

+ Entrevista: 'Não resta nada de Maio de 1968'

+ Maio de 68 - Um movimento pluralista sem mulheres na liderança

Para Isabelle Sommier, autora de A Violência Revolucionária e A França Rebelde, os protestos foram a liberação da voz da juventude. “Maio de 68 foi a rebelião de uma fração da juventude e marca a chegada dos jovens como atores sociais que se mobilizam e agem para transformar a sociedade”, diz. “Isso se explica pela massificação do ensino superior e pela emergência de uma nova consciência da juventude, que se dá conta, através da música, do cinema, de seus ídolos, que forma um conjunto.”

+ Protagonistas das barricadas de 68 revisam legado

+ Box reúne quatro filmes que refletem sobre Maio de 1968

Marcado por contradições, como defender a liberdade e ter como ícones regimes autoritários de Cuba e China, Maio de 68 também teve no comportamento da juventude um paradoxo. Os jovens que se rebelavam denunciavam a “sociedade do consumo”, mas eram frutos da nova sociedade do pós-guerra, cada vez mais urbana e burguesa, marcada pela cultura pop e pelos meios de comunicação de massa. “O que tornou possível o movimento foi a cultura de massa, que favorecia a circulação das ideias”, diz Isabelle.

Membro dos grupos da Universidade de Nanterre, que iniciaram a revolta, Serge July tinha 25 anos quando o movimento eclodiu. Cinco anos depois, fundou ao lado de intelectuais como Jean-Paul Sartre o Libération, jornal que dirigiu por 30 anos. Ainda hoje, o diário exprime o espírito de 68. “Era um movimento de forte conotação cultural da juventude, muito mais do que qualquer conotação política”, diz July.

 

Mais conteúdo sobre:
maio de 1968

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.