Revolucionários pedem revisão de eleição na Romênia

Dezenas de ex-combatentes do levante de 1989, que pôs fim à ditadura comunista de Nicolae Ceausescu na Romênia, fizeram uma passeata pelo centro da capital, Bucareste, para exigir a investigação de denúncias de fraude nas eleições parlamentares e presidenciais de domingo passado. "Apelamos à instituições do Estado para investigar aqueles que administraram as eleições", disse Adrian Stanescu, que perdeu as duas pernas depois de ser espancado pela polícia durante a revolta contra Ceausescu, na qual mais de 1.000 pessoas morreram.No domingo, o Partido Social Democrata, no governo, conquistou 189 das 469 vagas no Parlamento, enquanto a Aliança Justiça e Verdade, na oposição, obteve 161. O premier Adrian Nastase, que lidera os social-democratas, e o prefeito de Bucareste, Traian Basescu, disputarão um segundo turno em 12 de dezembro. Basescu alega que seu partido perdeu 5% dos votos na eleição por conta de fraude. A Aliança e outros partidos menores dizem que o governo enviou correligionários para votar diversas vezes, aproveitando-se da lei romena que permite o voto em trânsito. O governo nega as acusações, mas promete investigar o caso e punir eventuais culpados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.