Rice afirma que jornalista Politkovskaya era sua "heroína"

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, afirmou nesta segunda-feira que a jornalista russa Anna Politkovskaya, assassinada em 7 de outubro, em Moscou, era sua "heroína"."Anna era minha heroína e um símbolo do jornalismo independente. Sem jornalistas independentes a democracia não pode funcionar", disse Rice em uma entrevista ao jornal "Novaya Gazeta", para o qual Politkovskaya trabalhava desde 1999.Rice, que deixou Moscou no domingo após reuniões com o Kremlin sobre a crise nuclear norte-coreana, expressou sua admiração pela repórter, "porque ela buscava a verdade e não se importava com o preço que teria que pagar".Politkovskaya, nascida em Nova York, em 1958, em uma família de diplomatas soviéticos de origem ucraniana, possuía as cidadanias russa e americana.Rice ressaltou também que a perda de pessoas como Politkovskaya "não são em vão, já que no fim das contas a liberdade vencerá"."O jornalismo é uma profissão perigosa. Vocês fazem muitos inimigos. Falamos daqueles que têm muito a perder se a verdade for publicada", afirmou.A secretária de Estado americana ressaltou que o assassinato teve "um grande impacto no mundo todo. Muitos foram os que pediram uma investigação e a punição dos culpados"."Quero insistir em que os vocês não estão sozinhos em sua luta. A imprensa independente é muito importante para qualquer sociedade, particularmente para aquelas que se encontram em um processo de transição", disse.A Promotoria russa anunciou na sexta-feira passada "progressos" na investigação da morte de Politkovskaya, assassinada a vários tiros na entrada de sua residência.O presidente russo, Vladimir Putin, se comprometeu diante de seu colega americano, George W. Bush, a punir os culpados pelo assassinato da jornalista, a voz mais crítica da política do Kremlin na Chechênia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.