Rice e Straw pedem "líder forte" no Iraque

Encerrando dois dias de uma visita-surpresa a Bagdá, a secretária americana de Estado, Condoleezza Rice, fez nesta segunda-feira um chamado aos líderes iraquianos para que ponham fim ao "vazio político" no Iraque e formem logo um governo de unidade nacional, apoiado num "líder forte", capaz de unir as diversas facções do país. Ela fez os comentários em uma entrevista à imprensa em Bagdá, tendo ao lado o chanceler britânico, Jack Straw. Nos dois dias, Straw e Condoleezza se reuniram com o presidente do Iraque, o curdo Jalal Talabani, o primeiro-ministro interino, o xiita Ibrahim al-Jaafari, e os dirigentes dos mais importantes partidos e grupos representados no Parlamento. Segundo a TV a cabo CNN, Condoleezza parecia tensa depois da reunião com Jaafari, que havia sido indicado inicialmente pela coalizão xiita-curda para permanecer no poder pelos próximos quatro anos. Os EUA pressionam a coalizão a remover Jaafari, substituindo-o por um político com bom trânsito entre os muçulmanos sunitas e um bloco de curdos e seculares que não querem a permanência dele no governo. Jaafari é acusado de não agir para deter as ações das milícias xiitas e esquadrões da morte formados por sunitas. Mesmo nos partidos da coalizão governista, Aliança União Iraquiana, há descontentamento com Jaafari. Ele venceu a nomeação sobre o candidato do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque por apenas um voto - e teve o apoio decisivo do clérigo antiamericano Muqtada al-Sadr, principal rival do CSRI na disputa pela liderança da comunidade xiita. Já o governo americano espera que um governo aceito pelos líderes políticos sunitas possa negociar o fim dos ataques dos grupos que lutam contra a ocupação americana e o novo governo. Rice e Straw retornaram hoje a Londres, onde se reuniram com o primeiro-ministro Tony Blair. Mortes Somente nesta segunda-feira morreram pelo menos 30 iraquianos em diversos ataques por todo o país. No pior deles, em Bagdá, um caminhão-bomba explodiu perto de uma mesquita quando os fiéis deixavam o local, após as orações do fim do dia. Dez pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas no atentado. No domingo, um grupo extremista iraquiano pôs na internet um vídeo mostrando destroços que parecem ser de uma aeronave americana. Num comunicado, os rebeldes dizem que se trata do helicóptero dos EUA derrubado no sábado na Província de Anbar, a sudoeste de Bagdá. Dois pilotos morreram na queda.

Agencia Estado,

03 Abril 2006 | 20h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.