Rice faz visita surpresa a Bagdá para discutir violência

"Eles não possuem tempo para debater esse tema indefinidamente", disse Rice em uma coletiva de imprensa a bordo de seu avião. "Eles realmente precisam avançar. Esse é uma das mensagens que pretendo levar, mas também será uma mensagem de apoio e de disposição em ajudar."O encontro da secretária com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, e outros membros do alto escalão da administração acontece no momento em que uma espiral de assassinatos sectários entre árabes sunitas e xiitas ameaça minar o governo. A matança, alimentada por um sentimento de vingança entre os dois grupos, já se tornou a principal causa da atual onda de violência no Iraque, que a cada mês registra um novo recorde no número de mortos, sempre na casa das centenas. Os partidos xiitas e sunitas da coalizão de Maliki se acusam mutuamente de apoiarem as milícias responsáveis pelos assassinatos.Rice disse que os iraquianos devem resolver por si mesmos os complexos problemas que atingem o país, sejam eles a divisão das riquezas geradas pelo petróleo, as possíveis mudanças na Constituição e os desejos de autonomia de várias regiões."Nosso papel é dar apoio a todos os partidos e pressioná-los para que trabalhem para a obtenção de uma solução rápida, pois obviamente a situação da segurança não pode ser tolerada. E a inação política não ajuda", disse Rice.Na quarta-feira, explosões de carros bombas e tiroteios deixaram 34 pessoas mortas no país. Para piorar, 21 soldados americanos foram mortos em ações insurgentes desde sábado - um número acima da média.Texto atualizado às 14h18

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.