Rice lamenta estupro de jovem japonesa por fuzileiro dos EUA

Secretária de Estado americana busca aplacar revolta dos japoneses com nova acusação de violência sexual

Agência Estado e Associated Press,

27 de fevereiro de 2008 | 10h54

A secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, manifestou nesta quarta-feira, 27, a esperança de que a acusação segundo a qual um fuzileiro naval americano teria estuprado uma adolescente japonesa não abale as relações entre Washington e Tóquio em um momento no qual ela busca a ajuda do Japão para pressionar a Coréia do Norte a abandonar definitivamente seu programa nuclear.   A recente detenção de um fuzileiro naval americano suspeito de ter estuprado uma menina de 14 anos em Okinawa, no sul do Japão, inflamou a revolta popular contra a presença militar dos Estados Unidos no país asiático. Os EUA mantêm cerca de 50 mil soldados no Japão.   Depois de ter ordenado ao principal diplomata americano na Ásia que ficasse na China para tentar aproveitar oportunidades promissoras de levar adiante o desarmamento norte-coreano, Rice viajou ao Japão numa tentativa de aplacar a revolta da população local por causa de uma nova acusação de estupro apresentada contra um militar americano.   "Nós certamente esperamos que isso não tenha efeito duradouro. Nossa aliança é antiga e forte", disse ela. "Nosso interesse atual é que a justiça seja, que se vá a fundo. Também nos preocupa a situação da menina e de sua família. Nós realmente lamentamos isso profundamente", declarou.

Mais conteúdo sobre:
JapãoEUAestupro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.