Rice pode ter conversações bilaterais com Irã em maio

O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira, 5, que a secretária de Estado Condoleezza Rice estaria disposta a ter conversações diretas com o Irã sobre a atuação desse país no Iraque. As discussões ocorreriam durante uma reunião de países vizinhos ao Iraque e potências mundiais.O porta-voz do Departamento de Estado Sean McCormack disse que Rice não exclui a possibilidade de conversações bilaterais com os iranianos na reunião de nível ministerial, que, de acordo com o governo iraquiano, deverá ocorrer no início de maio em local ainda não revelado."Não vamos excluir nenhuma interação diplomática. Houve uma entre diplomatas e o mesmo se aplicaria à secretária", disse McCormack a jornalistas.Numa reunião de países vizinhos do Iraque realizada no mês passado em Bagdá, o embaixador dos EUA ao Iraque, Zalmay Khalilzad, teve encontros breves com delegados iranianos e sírios, e McCormack disse que é possível que Rice faça o mesmo.Os Estados Unidos acusam o Irã de desestabilizar o Iraque, e McCormack disse que Rice pode tratar dessa questão com Teerã na conferência sobre o Iraque, que deverá ter a participação dos vizinhos do Iraque e de potências mundiais.Ele reiterou a posição dos EUA com relação à discussão do programa nuclear iraniano. Representantes de Washington só poderiam se reunir com Teerã depois de o Irã suspender seu trabalho de enriquecimento de urânio.O Irã nega que esteja intervindo no Iraque. Os EUA mantêm detidos desde janeiro cinco iranianos a quem Washington acusa de estarem ligados a ataques contra forças americanas no Iraque.McComarck disse que os EUA estão analisando um pedido do Irã de concessão de acesso consular aos cinco, que, disse ele, foram classificados como "detentos de segurança" e estão sendo mantidos de acordo com as leis iraquianas e com resoluções do Conselho de Segurança da ONU.McCormack afirmou que o acesso consular foi concedido a detentos desse tipo em ocasiões anteriores, mas que ainda não foi tomada uma decisão em relação aos cinco."Enquanto eles continuarem a representar uma ameaça às forças americanas, eles não serão libertados", disse ele, sem dar maiores detalhes.Os EUA saudaram a decisão do Irã de libertar 15 marinheiros britânicos detidos no mês passado e que retornaram para casa na quinta-feira.McCormack disse que espera que isso leve a uma "mudança de atitude" por Teerã em relação a outras questões, incluindo o programa nuclear.Os EUA e outros acusam o Irã de tentar fabricar uma bomba nuclear, mas Teerã diz que seu programa nuclear tem objetivos pacíficos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.