Rice pressiona Coréia do Norte para que abandone armas

Pyongyang entregou relatório sobre seu potencial atômico e EUA retiraram país da 'lista negra'

EFE,

28 de junho de 2008 | 10h51

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, exigiu neste sábado, 28, pouco depois de chegar a Seul, que a Coréia do Norte abandone todas as suas armas, programas e material nuclear, e disse que o recente inventário do potencial atômico do país não é suficiente.  Rice pressionou Pyongyang dois dias depois que o regime comunista entregou um inventário de seu potencial atômico aos membros do diálogo de seis lados (as duas Coréias, Rússia, Japão, China e Estados Unidos). A declaração da secretária americana ocorre um dia depois de a Coréia do Norte ter, simbolicamente, demolido a torre de refrigeração da principal usina nuclear do país. OS EUA anunciaram recentemente o levantamento das sanções e a retirada da Coréia do Norte da lista de países terroristas no mesmo dia em que foi entregue a declaração nuclear.  A americana afirmou que o inventário nuclear entregue pela Coréia do Norte não cobre apenas o programa de plutônio, mas também se "refere" ao suposto plano de enriquecimento de urânio. Um funcionário sul-coreano citado pelo jornal "Munhwa Ilbo" disse na sexta-feira, 27, que as 60 páginas de declaração nuclear contêm três itens: a lista completa de instalações nucleares norte-coreanas, o plutônio extraído e sua utilização e a quantidade de urânio que o país possui.  A confirmação de que possui urânio não significa que a Coréia do Norte confesse que mantém um programa de enriquecimento do material, o que Pyongyang negou constantemente desde que os EUA denunciaram sua existência, em 2002. Por outro lado, a declaração não dá informações sobre a suposta colaboração no campo nuclear entre Síria e Coréia do Norte, nem sobre o arsenal de armas nucleares que o regime comunista possui, assunto que ficou para a fase seguinte de desnuclearização.  A agência japonesa "Kyodo" informou que a Coréia do Norte especifica na declaração nuclear que extraiu um total de 30 quilos de plutônio, material que diversos veículos de comunicação calculam ser suficientes para armar seis bombas nucleares.Além disso, a declaração afirma que, no teste nuclear de 2006, Pyongyang empregou dois quilos de plutônio.  Rice insistiu na necessidade de um protocolo adequado para garantir a verificação de toda a informação fornecida pela Coréia do Norte.  Por enquanto, na fase atual do processo de desnuclearização, a Coréia do Norte desmantelará todas as suas instalações nucleares em troca de receber o petróleo prometido pelos países e de retomar os laços com EUA e Japão.  Após se reunir com o ministro de Exteriores sul-coreano, Rice foi recebida pelo presidente, Lee Myung-bak, que reiterou que Seul e Washington devem trabalhar juntos para que a Coréia do Norte abandone todo o seu programa nuclear.

Mais conteúdo sobre:
CORÉIA DO NORTEARMAS NUCLEARES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.