Rice reitera que Irã deve dar resposta rápida em tema nuclear

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, advertiu neste domingo ao Irã que sua resposta à série de incentivos oferecidos para que suspenda seu programa nuclear deve ser "em questão de semanas". Rice disse que não é uma pessoa "que estabeleça calendários de trabalho específicos", mas acha que "é justo dizer que temos que ter isso fixado em questão de semanas, não meses".Nenhuma das seis potências envolvidas nas conversas com esse país "está preparada para que isso se arraste, enquanto o Irã continua progredindo em seu programa nuclear", disse Rice no programa dominical de televisão Fox News Sunday.Rice considerou "essencial" que o Irã suspenda seu programa nuclear, já que "não queremos que as negociações sejam usadas para tapar um avanço" no enriquecimento de urânio.Reino Unido, EUA, França, Alemanha, China e Rússia definiram na quinta-feira passada, em Viena, um exaustivo plano de incentivos para que o Irã suspenda os projetos mais sensíveis de seu programa nuclear.Ao mesmo tempo, advertiram à República Islâmica que, caso não aceite essa proposta, o Conselho de Segurança das Nações Unidas poderia decidir por sanções.Rice disse que a proposta é uma "grande oportunidade" para o Irã, e acrescentou que há dois caminhos para esse país: "vamos esperar que escolham o que se afasta do enfrentamento e se dirige à solução".Por outro lado, a chefe da diplomacia americana minimizou a importância das advertências feitas neste domingo pelo líder supremo do Irã, o grande aiatolá Ali Khamenei, no sentido de que o fornecimento de energia a partir da região do Golfo poderia ser interrompido se o Irã for atacado pelos EUA."Não acho que devemos colocar muita ênfase em uma ameaça deste gênero", disse Rice, lembrando a forte dependência do Irã da receita com a venda de petróleo. "Evidentemente, seria um problema sério para o Irã se retirasse o petróleo do mercado", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.