Rice visita à China para reativar acordo nuclear norte-coreano

Principal objetivo é persuadir Coréia do Norte a oferecer uma declaração completa de seu arsenal nuclear

Efe,

26 de fevereiro de 2008 | 03h48

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, chegou nesta terça-feira, 26, a Pequim, em visita oficial de dois dias. Ela espera reativar o acordo nuclear com a Coréia do Norte, bloqueado pelas desavenças entre Washington e Pyongyang. Segundo anunciou a agência estatal de notícias Xinhua, Rice, que aterrissou em Pequim procedente de Seul, deve se reunir com o presidente Hu Jintao, o primeiro-ministro Wen Jiabao, o conselheiro de Estado Tang Jiaxuan e o ministro de Relações Exteriores Yang Jiechi. A viagem asiática de Rice tem como objetivo persuadir a Coréia do Norte para que ofereça uma declaração completa de seu arsenal nuclear. Pyongyang entregou uma lista em novembro, que não satisfez a vontade de Washington. Segundo o acordo assinado entre as duas Coréias, EUA, Japão, China e Rússia, em outubro passado, Pyongyang se comprometeu a desativar seu principal reator de plutônio (em Yongbyon) e a oferecer uma declaração completa de seu arsenal até o final de 2007 em troca de ajuda energética e concessões políticas. Fontes americanas em Seul assinalaram à imprensa que esperam que a viagem de Rice sirva como um "catalisador" para obter uma declaração que satisfaça os EUA. Washington acusa Pyongyang de contar com um programa secreto de enriquecimento de urânio, e nos últimos meses vem acusando o regime comunista de estar transferindo tecnologia nuclear à Síria. Ambas as acusações foram negadas pela Coréia do Norte em reiteradas ocasiões. A visita de Rice à China é a primeira em mais de um ano. Em suas reuniões com os líderes chineses, está previsto que a secretária de Estado troque opiniões "sobre as relações bilaterais e assuntos relevantes regionais e internacionais de preocupação comum". Uma vez finalizada sua visita de dois dias a Pequim, a secretária de Estado americana viajará ao Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.