Rice visita Oriente Médio para tentar retomar processo de paz

A secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, embarca na sexta-feira para o Oriente Médio e Europa, em mais uma tentativa dos EUA de retomar o processo de paz árabe-israelense e estabilizar o Iraque. Sean McCormack, porta-voz de Rice, disse na terça-feira que ela vai visitar Israel, os territórios palestinos, Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Kuweit, Alemanha e Grã-Bretanha, entre 12 e 19 de janeiro. Ainda neste mês, ela vai a Paris para uma conferência internacional de doadores para o Líbano. O Departamento de Estado explicou semana passada que Rice vai dedicar sua viagem ao Oriente Médio a três questões: progressos na paz entre palestinos e israelenses, promoção da estabilidade no Líbano e formas de chegar a "uma situação mais estável e segura no Iraque". Ainda antes do embarque de Rice, o presidente George W. Bush deve anunciar uma nova estratégia para o Iraque, que supostamente incluirá um aumento de 20 mil soldados no contingente norte-americano, apesar da oposição dos democratas à idéia. Negociação do impasseRice esteve pela última vez na região no começo de dezembro, quando se reuniu separadamente com o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, e com o presidente palestino, Mahmoud Abbas. Na época, ela disse ver "uma pequena abertura" para a retomada das negociações. Muitos analistas duvidam de qualquer progresso na questão até que se resolva o impasse entre Abbas e o governo do primeiro-ministro Ismail Haniyeh, do grupo islâmico Hamas. Abbas e Olmert se reuniram em 23 de dezembro e aceitaram tentar retomar as negociações, paralisadas desde 2000. O Hamas, por outro lado, continua recusando-se a reconhecer a existência de Israel, a respeitar acordos de paz anteriores e a abandonar a violência - três condições para o fim do embargo ocidental. Washington quer que israelenses e palestinos voltem a discutir uma trégüa sob o "mapa" proposto há anos pelos EUA. O governo Bush pretende também destinar verbas para reforçar as forças de segurança ligadas a Abbas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.