Richard Gere lidera ato pró-Tibete em São Francisco

Nobel da Paz Desmond Tutu também participa de protesto na véspera da passagem da tocha olímpica na cidade

Reuters,

09 de abril de 2008 | 07h34

Milhares de manifestantes percorreram as ruas de São Francisco, nos Estados Unidos, antes da chegada da tocha olímpica. O prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu e o ator Richard Gere participaram dos protestos realizados até a noite de terça-feira, 8, contra a dominação chinesa na província do Tibete. Gere, também diretor da Campanha Internacional pelo Tibete, afirmou que a China transformou o revezamento da tocha em um evento político.   Veja também:  Entenda o conflito entre Tibete e China O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo   São Francisco foi blindada antes da chegada da tocha, que percorrerá a cidade nesta quarta-feira enquanto milhares de defensores do Tibete marcham criticando a repressão da China. Os clamores contra Pequim foram ouvidos por toda a metrópole californiana. Os ativistas chegaram até o consulado chinês, onde vários advogaram pediram respeito aos direitos humanos. Além disso, Casa Branca não descarta a ausência do presidente George W. Bush na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim.   Desmond Tutu, ao lado de Richard Gere, pediu que os líderes mundiais para que não compareçam ao evento. "É fantástico o que aquela gente está fazendo", afirmou o arcebispo africano, citando três ativistas que protestaram na ponte Golden Gate com uma bandeira pelo Tibete livre.   "Claramente, este é um momento em que a China quer ser incluída entre os grandes. Eles se politizaram, de forma extraordinária. Acredito que se não tivesse decidido que a tocha passaria pelo Everest e pelo Tibete, nada disso teria acontecido", adiantou Gere.   A tocha chegou na terça-feira sob fortes medidas de segurança. Pelo menos 500 agentes da polícia foram responsáveis pela escolta assim que ela desembarcou no aeroporto. O prefeito Gavin Newsom afirmou que está em contato com autoridades britânicas e francesas para ter uma perspectiva melhor de como lidar com os manifestantes, já que em Londres e Paris foram registrados diversos incidentes durante o revezamento.   Richard Gere defende o boicote aos Jogos Olímpicos caso a China não reaja de modo adequado às manifestações na região tibetana. Segundo grupos de tibetanos no exílio, as forças de segurança chinesas teriam matado dezenas de manifestantes durante os protestos contra a dominação chinesa, que começaram no Tibete e se espalharam por várias regiões da China. O governo chinês, no entanto, afirma que o número de mortos nos protestos foi de 19 pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
tocha olímpicaEUATibete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.