Richardson tenta obter libertação de americanos

Ao retornar de uma viagem à Colômbia, onde se apresentou como mediador para a libertação dos três americanos em poder do grupo guerrilheiro Farc, o governador democrata do Novo México, Bill Richardson, pediu uma completa revisão da política dos EUA para a América Latina. Acompanhe a cobertura do caso Ingrid BetancourtRichardson, que chegou a disputar a corrida presidencial, tornou-se o mais importante político americano a participar diretamente dos esforços de mediação na Colômbia. Ele tem vasta experiência nessa área: já participou de negociações diretas no Sudão, na Coréia do Norte e em Cuba. Na Colômbia, Richardson se reuniu com o presidente Álvaro Uribe, como o alto comissário de paz Luis Carlos Restrepo, com o ministro da Defesa, Juan Manuel Santos, e com a senadora Piedad Córdoba. Richardson, que tem origem mexicana e fala fluentemente espanhol, afirmou que tem um interesse antigo na resolução do conflito colombiano, mas decidiu intervir apenas depois de um pedido pessoal das famílias dos reféns americanos. "A coisa mais importante neste processo é ganhar a confiança dos seqüestradores", disse Richardson. "Embora a viagem tenha sido proveitosa, não acredito que a libertação ocorra tão cedo." Os americanos Keith Stansell, Thomas Howes e Marc Gonsalves foram seqüestrados em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.