Darren Hauck/Reuters
Darren Hauck/Reuters

Rick Santorum ganha as primárias republicanas no estado da Louisiana

Candidato venceu o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney no conservador estado do sul

25 de março de 2012 | 09h55

WASHINGTON - O ex-senador Rick Santorum ganhou as primárias republicanas realizadas neste sábado no estado da Louisiana (EUA). A votação se encerrou às 21h (horário local, 22h em Brasília). Santorum venceu o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney com clareza nesse estado do sul e conservador. Em terceiro lugar ficou o ex-presidente da Câmara de Representantes (Deputados) Newt Gingrich e em quarto e último o congressista de ideias libertarias Ron Paul.

 

Veja também:

especialPERFIL: Quem são os quatro candidatos que seguem na corrida

especialAO VIVO: Veja como foi a Superterça

blog CHACRA: Superterça não encerra primárias

republicanas

especialMAPA: Acompanhe os resultados Estado a

Estado

lista ESPECIAL: Eleições nos EUA 2012

 

As pesquisas já tinham previsto uma vitória na Louisiana de Santorum, que precisava ganhar após os contundentes triunfos de Romney nas primárias de Porto Rico e Illinois. O ex-senador pela Pensilvânia foi muito criticado por seus rivais esta semana por alguns comentários nos quais sugeriu que preferiria um segundo mandato do presidente Barack Obama a ter a Romney na Casa Branca.

As primárias da Louisiana foram fechadas, o que significa que somente puderam comparecer às urnas os eleitores registrados como republicanos. Um total de 20 delegados será repartido proporcionalmente entre os candidatos em função dos resultados de hoje e 26 mais em uma convenção estadual prevista para abril.

Segundo as últimas estimativas da "CNN", Romney tem até agora 563 delegados, seguido de Santorum (251), Gingrich (137) e Paul (71). São necessários 1.144 delegados para assegurar a nomeação presidencial republicana na convenção que esse partido realizará em agosto em Tampa (Flórida), da qual sairá o rival de Obama para as eleições do dia 6 de novembro.

 

Opus Dei

O movimento católico Opus Dei tornou-se uma "presença significativa" na vida do candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos Rick Santorum, que fez de sua fé um dos eixos de sua campanha, disse nesta terça-feira o jornal "The Washington Post".

A publicação mostra uma evolução da fé de Santorum, que de uma postura mais liberal em sua juventude passou a praticar o catolicismo de maneira fervorosa após conhecer sua esposa, Karen Garvey. Depois da morte do quarto filho do casal, Gabriel, duas horas após o nascimento, em 1996, Santorum conheceu um sacerdote do Opus Dei, John McCloskey, e "começou a expressar sua fé publicamente".

Santorum, então senador pela Pensilvânia, começou um grupo de oração na Câmara Alta. Em 2002, viajou a Roma com McCloskey com o objetivo de participar de uma conferência para celebrar a canonização do fundador do Opus Dei, Josemaría Escrivá de Balaguer.

Em sua intervenção na conferência, segundo o jornal, Santorum apoiou a posição de Escrivá de Balaguer, que considerava "absurdo" alguém deixar a fé católica de lado ao se envolver com a política.

Nos debates legislativos sobre o aborto, disse Santorum na audiência em Roma, ele escutava Escrivá dizendo que "não é verdade que haja um conflito entre ser um bom católico e servir fielmente à sociedade civil".

Esse discurso, acrescentou o "Post", foi o primeiro apoio público de Santorum ao Opus Dei, que conta com cerca de 3 mil membros nos Estados Unidos.

O senador, pai de sete filhos, matriculou dois deles em uma escola do Opus Dei, acrescentou o jornal. E quando está em sua casa nos arredores de Washington, frequenta a Igreja de Santa Catarina de Siena na localidade de Great Falls, na Virgínia, "uma das poucas na diocese que faz a cada mês uma reunião espiritual do Opus Dei".

No entanto, o "Washington Post" destacou que o ex-senador, "cuja campanha não aceitou vários pedidos de comentários, não é membro do Opus Dei, de acordo com esse grupo, e não está totalmente claro em que medida segue os princípios" desse movimento católico.

 
Tudo o que sabemos sobre:
eleicoes-nos-euaprimárias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.