Rigoberta Menchú será candidata à Presidência da Guatemala

A ativista guatemalteca pelo direito dos indígenas Rigoberta Menchú, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz de 1992, anunciou que irá concorrer à Presidência da Guatemala nas eleições marcadas para setembro.Menchú, de 48 anos, vai concorrer por uma coalizão entre o partido indígena Winaq, que ela fundou no início do mês, e o partido de esquerda Encontro pela Guatemala.O anúncio de sua candidatura foi feito depois de negociações com Nineth Montenegro, líder do Encontro pela Guatemala. "Somos duas mulheres que compartilham idéias e têm equipes extraordinárias", disse Menchú. Montenegro afirmou que a candidatura de sua colega era o início de um "processo bem-sucedido que irá mudar o país".Presidente maiaCaso seja eleita, Menchú vai se tornar a primeira presidente da minoria étnica maia na Guatemala, assim como a primeira mulher a ocupar o cargo. Winaq é uma palavra maia que significa "a totalidade do ser humano".Mais da metade dos 13 milhões de habitantes da Guatemala descende dos maias. Em 1992, Menchú foi agraciada com o Prêmio Nobel da Paz por sua luta em defesa dos direitos dos indígenas.A ativista chamou a atenção para abusos ocorridos durante a guerra civil guatemalteca, na qual seus pais foram assassinados pelo Exército do país.Desde então, ela lidera uma campanha para que os ex-governantes militares da Guatemala sejam julgados pela Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.