Risco de apagão e pane em caixas 24h aumentam crise em Tóquio

População começa a estocar arroz e outros mantimentos com medo de desastre nuclear no Japão

Reuters,

17 de março de 2011 | 10h50

 O mau funcionamento dos caixas eletrônicos e a ameaça de cortes de energia aumentaram a preocupação da população de Tóquio, onde milhões de pessoas começaram a estocar arroz e outros mantimentos e permanecem trancadas em casa ou aglomeradas nos aeroportos com medo da crise nuclear no Japão.  

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

                       

O excesso de transações em algumas agências do banco Mizuho causou a paralisação abrupta de centenas de caixas eletrônicos, e o governo alertou para a possibilidade de grandes apagões, contribuindo com a desordem numa cidade tão habituada à precisão e à eficiência.       

                     

Enquanto técnicos lutam para impedir uma catástrofe na usina nuclear de Fukushima, 240 quilômetros ao norte da capital, em Tóquio a calma da população era posta à prova, quase uma semana depois do terremoto de magnitude 8,9 que causou um tsunami e danificou vários reatores da instalação atômica.    

                         

Alguns moradores estão fugindo, outros solicitaram passaportes, e muita gente estoca o que pode -- alimentos, dinheiro ou mesmo ouro, reserva segura em tempos de crise.        

 

                        

Num escritório do segundo andar do centro de emissão de passaportes no bairro de Yurakucho, as filas desciam as escadas. "Não sabemos a razão, mas de repente, desde ontem, tivemos 50 por cento mais gente do que de costume solicitando um passaporte ou pedindo informações sobre como obtê-lo", disse o funcionário Shigeaki Ohashi.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.