Risco de câncer é baixo após acidente nuclear no Japão

Quase dois anos após o desastre na usina nuclear japonesa de Fukushima, uma equipe de especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) disse hoje que os moradores das áreas atingidas pelas mais altas doses de radiação correm um risco de aumento de câncer tão pequeno que provavelmente não será detectável. Os especialistas calculam que esse risco aumenta apenas um ponto porcentual à possibilidade de uma criança japonesa desenvolver câncer.

Agência Estado

28 de fevereiro de 2013 | 21h05

"O risco adicional é muito pequeno e provavelmente será escondido pelo outros riscos (de câncer), como o estilo de vida das pessoas e as flutuações estatísticas", disse Richard Wakeford, da Universidade de Manchester, um dos autores do relatório. "É mais importante não começar a fumar do que ter estado em Fukushima.''''

O relatório foi divulgado pela OMS, que também pediu aos cientistas para estudar os efeitos da radiação sobre a agricultura rural na região. Em 11 de março de 2011, um terremoto seguido de tsunami provocou um desastre nuclear na usina de Fukushima. As populações da região, que fica a 240 quilômetros ao norte de Tóquio. ficaram diretamente expostas às nuvens de radiação. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoFukushimanuclearcâncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.