Risco de forte réplica gera pânico entre sobreviventes na China

Pessoas dormem nas ruas com medo de novos soterramentos; Homem é resgatado após mais de uma semana

Agências internacionais,

20 de maio de 2008 | 09h05

Na noite desta terça-feira, 20, dezenas de milhares de pessoas dormiram nas ruas depois que o governo da China alertou para a possibilidade de um novo tremor de grande magnitude. O comunicado do Departamento Nacional de Sismologia, lido em cadeia nacional, provocou pânico, levando milhares de chineses a deixar suas casas em busca de áreas seguras.   Veja também: Terremoto já matou mais de 40 mil em província chinesa Catástrofe deve provocar queda do crescimento chinês  Ouça o relato da jornalista Cláudia Trevisan  Mapa da destruição na China  Entenda como acontecem os terremotos  Especial: antes de depois da tragédia Vídeo com imagens do terremoto  Vídeo com imagens do resgate    Munidas de travesseiros e cobertores, as pessoas lotavam carros que trafegavam pelas estradas que ligam a capital de Sichuan, Chengdu, a locais planos e abertos, na zona rural. Esta não é a primeira vez que os moradores de Sichuan têm de buscar proteção contra possíveis tremores secundários. Desde a semana passada, a região de Sichuan sofreu mais de 122 novos tremores, sendo que um deles marcou 6,1 graus na escala Richter.   Enquanto isso, equipes de resgate salvaram um homem de 31 anos que estava preso sob os escombros da usina hidrelétrica da Baía de Yingxiu, onde trabalhava como diretor, informou a agência de notícias Nova China. Ma Yuanjiang foi resgatado 30 horas depois de ter sido encontrado vivo pelas equipes de resgate. Ele ficou quase 200 horas preso depois do terremoto do último dia 12 na província de Sichuan. Ma conseguia falar e comeu pequenas quantidades de comida, disse o colega Wu Geng à Nova China.   Segundo a BBC, o número oficial das pessoas que morreram por causa do terremoto que atingiu a província chinesa de Sichuan há oito dias subiu para quase 40 mil. Li Chengyun, vice-governador da província, disse à agência oficial de notícias da China, a Xinhua, que 39.577 pessoas tiveram suas mortes confirmadas. Segundo Chengyun, até a tarde desta terça-feira um total de 60.026 pessoas foram resgatadas dos escombros e cerca de 4,8 milhões foram removidas.   O vice-governador pediu ajuda com urgência, principalmente barracas. "A área do terremoto precisa de mais de 3 milhões de barracas, se o público quiser fazer doações, por favor, doem barracas", disse Chengyun à agência Xinhua.   (Com BBC Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.