Risco de Mir cair sobre América Latina era de 8,6%

Controladores russos da estação orbital Mir, que se desintegrou na semana passada ao entrar em contato com a atmosfera terrestre e caiu no Oceano Pacífico, após uma manobra perfeita, disseram ontem que não foram revelados todos os verdadeiros riscos que envolviam a operação. O diretor da corporação espacial que operou a Mir para o governo russo, Yury Semyonov, admitiu que os fragmentos da Mir poderiam ter caído sobre áreas povoadas da Europa, Ásia, África e América. A informação não foi divulgada para não criar pânico, disse ele durante entrevista para a agência de notícias Itar-Tass.Segundo Semyonov, os riscos da Mir cair sobre a América Latina, a área que envolvia mais riscos, era de 8,6%. O riscos dos fragmentos caírem no África foi de 8,2%; na Ásia, 6,9%: nos Estados Unidos, 1,7%; na Austrália, 1,5% e na Europa Ocidental, 0,5%. Para cobrir possíveis danos a terceiros, em conseqüência da queda da Mir, a agência espacial russa chegou a fazer um seguro de US$ 200 milhões.Antes de considerar encerrada a operação, um especialista russo afirmou que as possibilidades de sucesso na queda da Mir era de 97% a 98%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.