Reuters
Reuters

Rival de Bachelet busca apoio para reverter desvantagem no 2º turno

Com 21 pontos a menos que a ex-presidente, ministra de Piñera procura alianças

O Estado de S. Paulo,

18 de novembro de 2013 | 09h11

SANTIAGO - A candidata governista à Presidência do Chile, Evelyn Matthei, prometeu na madrugada desta segunda-feira, 18, dar início rapidamente a campanha no segundo turno, no qual enfrentará a ex-presidente Michelle Bachelet e se declarou aberta a receber apoio de outros candidatos derrotados na primeira votação.

"As portas desta candidatura estão abertas a todos os que queiram se unir (...), peço a todas as pessoas moderadas que não se silenciem e não deixem de crer que nosso sonho sim é possível", disse Matthei.

Contabilizados 83,04% das mesas de votação, segundo os dados do Serviço Eleitoral (Servel), Matthei tinha 25,12% das preferências, contra 46,74% de Bachelet, números que asseguram o segundo turno entre as duas no dia 15 de dezembro.

Ex-ministra do Trabalho do presidente Sebastián Piñera, ela afirmou que sua candidatura representa um projeto acima das ideologias. "Os segundos turnos são bons para o Chile porque chamam à moderação e a centrar os discursos", assegurou Matthei.

A candidata ainda declarou que Bachelet representa o risco "de perder o progresso e o crescimento" conseguido durante o governo de Piñera, em razão de suas propostas de mudar a Constituição e de impulsionar uma reforma tributária e educacional. / EFE

TV Estadão: Chilenos votam em estádio que serviu de prisão na ditadura

Mais conteúdo sobre:
Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.