Rival de Chávez lança-se a disputa por governo estadual

Capriles oficializa candidatura a governador do Estado de Miranda e ressalta que 'seguirá lutando' por todo o país

CARACAS, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2012 | 03h02

Derrotado nas eleições presidenciais de domingo na Venezuela, o opositor Henrique Capriles Radonski confirmou ontem sua candidatura ao governo do Estado de Miranda para as eleições de 16 de dezembro. Capriles, obteve 44% na votação presidencial - vencida por Hugo Chávez, que obteve seu quarto mandato, com 55% dos votos.

Com a candidatura de Capriles, a aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) pretende levar adiante sua estratégia de mantê-lo como candidato viável, capaz de mobilizar as forças anti-Chávez a qualquer momento.

Na eleição em Miranda, ele enfrentará um nome forte do chavismo: Elias Jaua, que foi vice-presidente até terça-feira, quando Chávez designou o novo ocupante do cargo, o chanceler Nicolás Maduro.

"No domingo, fiquei bastante desanimado, sou dessas pessoas que não conseguem esconder seus sentimentos", disse Capriles, em entrevista coletiva na terça-feira à noite.

"Perdemos um jogo. Mas superamos isso e agora nós, venezuelanos, temos de pensar sobre o próximo", afirmou Capriles, pedindo que os 6,5 milhões de eleitores que votaram nele apoiem a oposição em dezembro.

Advogado e político considerado por muitos como o melhor líder da oposição na era socialista de Chávez, Capriles decidiu concorrer apesar de parte da MUD considerar que ele devesse buscar construir um papel de liderança nacional.

"Há pessoas em outros estados que me pedem que eu não os abandone", disse Capriles ao anunciar a candidatura. "Pois venho dizer a Miranda que vamos seguir trabalhando por nosso estado, mas não vou deixar de trabalhar por todo o povo venezuelano."

Maduro. O ministro de Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, declarou-se ontem satisfeito com a nomeação de Maduro para a vice-presidência venezuelana por Chávez. "Maduro é um colega muito valorizado e apreciado na região", disse, em Buenos Aires.

Patriota afirmou ainda que o novo vice-presidente, "será um excelente interlocutor e parabenizamos Nicolás por essa promoção". / REUTERS. COLABOROU ARIEL PALACIOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.