Rival de Trump nas prévias, Ted Cruz sai vaiado de convenção republicana

Senador texano se recusou a dar apoio ao magnata, irritou delegados em Cleveland e sua mulher teve de sair escoltada da arena

Cláudia Trevisan, Enviada especial / Cleveland, EUA

21 Julho 2016 | 01h28

Segundo colocado na disputa pela candidatura republicana à presidência dos Estados Unidos, o senador texano Ted Cruz deixou o palco da convenção do partido na madrugada de quinta-feira, 21, sob vaias de milhares de delegados da legenda, depois de fazer um discurso no qual se recusou a pedir votos para Donald Trump.

Cruz felicitou o bilionário pela vitória de maneira protocolar. Em seguida, fez um discurso de campanha centrado na defesa dos princípios ultraconservadores que marcam sua atuação e em ataques à democrata Hillary Clinton. No centro de seu ideário político está a rejeição  da intervenção do governo na economia e na sociedade, simbolizada em sua proposta de extinguir a Receita Federal.

No fim do pronunciamento, Cruz parecia pronto para fazer um apelo explícito por Trump. “Para vocês que estão ouvindo, por favor, não fiquem em casa em novembro”, disse, referindo-se à eleição presidencial. Mas para frustração da plateia, ele não mencionou o nome do ex-adversário. “Vote com sua consciência, vote de cima abaixo da cédula em candidatos que vocês confiam que irão defender nossa liberdade e ser fieis à Constituição.”

Enquanto Cruz falava, integrantes da delegação de Nova York começaram a gritar: “Queremos Trump”. Momentos depois, vaias ecoaram em toda a arena onde republicanos se reúnem desde segunda-feira, encobrindo as últimas palavras do senador texano. Cruz não cedeu e falou até o fim de acordo o discurso que havia preparado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.