Robert Zoellick diz que dias de Chávez estão 'contados'

Os dias do presidente venezuelano Hugo Chávez, que sofre de câncer, estão "contados" e, sem o seu apoio, os regimes esquerdistas de Cuba e Nicarágua terão de ir à luta, disse ontem o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick. Chávez é o mais proeminente líder de esquerda da América Latina e, segundo os críticos, dirige um regime autocrático que não respeita os direitos humanos em um país rico em petróleo.

Agência Estado

08 de junho de 2012 | 01h09

"Os dias de Chávez estão contados", afirmou Zoellick, em discurso em Washington, acrescentando que se os subsídios venezuelanos para Cuba e Nicarágua forem cortados "esses regimes estarão em apuros." No poder desde 1999, Chávez busca o terceiro mandato consecutivo como um "socialista revolucionário", apesar de duas cirurgias para remover tumores malignos. Ele não revelou o tipo de câncer que tem ou o prognóstico, alimentando incertezas políticas e rumores.

"Em breve haverá uma oportunidade para tornar o hemisfério Ocidental o primeiro hemisfério democrático. Não um lugar de golpes, caudilhos e cocaína, mas da democracia, desenvolvimento e dignidade", discursou Zoellick.

A Venezuela é o principal aliado da Nicarágua desde que o esquerdista Daniel Ortega voltou ao poder em 2007. Também é membro da Opep e envia diariamente 100 mil barris de petróleo altamente subsidiados para Cuba. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ZoellickChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.