AFP/ESA MEDIALAB
AFP/ESA MEDIALAB

Robô Philae envia sinal para Terra após sete meses de silêncio

O robô é o primeiro artefato produzido pelo homem a pousar na superfície de um cometa; sonda estava sem bateria, pois pousou em uma área de sombra

O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2015 | 18h58

O robô Philae, que pousou em um cometa em novembro do ano passado, fez contato com a Terra após sete meses de silêncio, anunciou neste domingo, 14, a Agência Espacial Europeia. O robô se tornou o primeiro artefato produzido pelo homem a pousar na superfície de um cometa, mas acabou se fixando em uma área com sombra. Como resultado, suas baterias solares se descarregaram após cerca de 60 horas e o robô foi forçado a desligar seus sistemas.

Cientistas esperavam que Philae despertasse assim que o cometa se aproximasse do Sol, já que os painéis solares poderiam absorver luz suficiente para recarregar a bateria principal do robô. No sábado, às 17h28 (horário de Brasília), Philae enviou um sinal para a Terra.

Não estou surpreso que isso tenha acontecido, mas se você espera vários meses e, no meio da noite, recebe uma ligação dizendo '''nós temos um sinal de Philae', isso é animador", disse o gerente de projeto do Centro Aeroespacial Alemão (DLR), Stephan Ulamec. "Estamos muito felizes."

A breve comunicação com a Terra continha 300 pacotes de dados, repassados pela Sonda Rosetta, que está orbitando o cometa. "Só recebemos dados por cerca de 85 segundos. São dados do sistema do robô", disse Ulamec. Mas foram suficientes para mostrar aos cientistas que Philae está em boas condições e recebendo luz para se manter em contato.

Segundo Ulamec, o robô parece ter despertado vários dias antes de ter enviado o sinal. Agora, cientistas esperam alterar a órbita da sonda Rosetta para que o link com o robô dure mais tempo e seja possível enviar comandos da Terra para que ele realize novas medições. Uma nova oportunidade de comunicação com Philae deveria ocorrer ainda no domingo, disse Ulamec.

Cientistas também pretendem determinar o local em que o robô pousou no cometa de 4 quilômetros de largura. Até agora, o local exato do pouso é um mistério.

Em 13 de agosto, Philae deve atingir o ponto mais próximo do Sol, antes de começar a se afastar novamente. Para Ulamec, o robô deve receber luz suficiente para operar até outubro, quando se desligará novamente, possivelmente para sempre. (Fonte: Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
Philaerobôcometasonda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.