Rodman pede desculpas por declaração sobre missionário americano

Em visita à Coreia do Norte, ex-jogador participou de festa de aniversário do ditador Kim Jong-un

O Estado de S. Paulo,

09 de janeiro de 2014 | 10h30

    Kim Jong-un posou para foto com os jogadores de basquete americanos. Foto: KCNA/Efe  

 

WASHINGTON - O ex-jogador de basquete Dennis Rodman pediu desculpas nesta quinta-feira sobre os comentários a respeito do missionário norte-americano Kenneth Bae, que está preso na Coreia do Norte, feitas em entrevista à CNN.

 

Veja também:

linkVÍDEO: Rodman canta parabéns para Kim Jog-un

Um dia depois de cantar "Feliz Aniversário" para o líder norte-coreano Kim Jong Un e liderar um grupo de ex-jogadores da NBA num jogo amistoso, Rodman pediu desculpas por meio do agente Jules Feiler, em mensagem enviada por e-mail para a The Associated Press. Durante entrevista concedida na terça-feira à CNN, Rodman sugeriu que Bae era responsável por sua prisão.

"Eu quero pedir desculpas", disse Rodman. "Eu assumo plenamente a responsabilidade por minhas ações. Foi um dia muito estressante. Alguns dos meus colegas do time estavam indo embora por causa da pressão de suas famílias e parceiros comerciais. Meu sonho de diplomacia baseada no basquete estava ruindo rapidamente. Eu tinha bebido. Isso não é uma desculpa, mas na hora da entrevista eu estava mal. Não é uma desculpa, é apenas a verdade."

"Eu quero pedir desculpas à família de Kenneth Bae. Eu quero pedir desculpas aos meus companheiros e ao meu time de gestão. Eu quero pedir desculpas a Chris Cuomo (jornalista da CNN a quem ele concedeu a entrevista). Eu deixei várias pessoas embaraçadas. Sinto muito. Neste ponto, eu deveria saber como fazer declarações políticas. Realmente sinto muito."

Rodman tem sido criticado por não usar sua influência junto a Kim para tentar libertar Bae, um missionário que está com problemas de saúde e é mantido na Coreia do Norte por crimes "contra o Estado".

A irmã de Bae, Terri Chung, disse que a família não acreditou no que Rodman disse. "Ele é uma pessoa que está numa posição que pode fazer algo de bom para Kenneth, mas se recusa", disse ela à rádio KOMO, de Seatle, na quarta-feira. "E, além disso, ele decide fazer essas acusações injustificadas contra Kenneth. Ficou claro que ele não tem ideia do que estava falando. Não tenho certeza com quem ele tem falado, onde obteve informação, mas certamente ele não tem autoridade para falar de Kenneth Bae."

Rodman dedicou o jogo a seu "melhor amigo" Kim, que junto com sua mulher e outras graduadas autoridades e suas esposas assistiram o evento de uma área especial. Os 14 mil expectadores do jogo realizado num estádio fechado de Pyongyang bateram palmas quando Rodman cantou o primeiro verso da música de aniversário.

O ex-jogador disse que estava honrado por jogar na capital da Coreia do Norte e que o evento foi "histórico". Porém, alguns membros do Congresso americano, da NBA e de grupos de direitos humanos afirmam que ele se tornou uma ferramenta de relações públicas do governo norte-coreano. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteDennis Rodman

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.