Roh Moo-hyun cometeu suicídio, diz ex-secretário

Moon Jae-in disse que o ex-governante "se atirou" por vontade própria e que deixou uma breve carta a sua família

EFE

23 Maio 2009 | 00h49

O ex-presidente sul-coreano Roh Moo-hyun deixou um bilhete suicida antes de cair nesta sexta-feira de uma montanha, afirmou seu antigo secretário e advogado Moon Jae-in.

 

Roh, de 62 anos e que presidiu a Coreia do Sul entre 2003 e fevereiro de 2008, à frente do partido progressista Uri, morreu em decorrência das graves lesões sofridas ao cair de uma montanha na vizinhança de sua casa, em Gimhae, no sul do país.

 

Moon Jae-in disse que o ex-governante "se atirou" por vontade própria e que deixou uma breve carta a sua família.

 

Roh teve seu nome envolvido recentemente em um escândalo de suborno e pediu perdão aos sul-coreanos pelo ocorrido.

 

Sua morte foi confirmada às 9h30 locais (21h30 de sexta-feira em Brasília), em um hospital de Busan (sul do país), de acordo com a agência sul-coreana "Yonhap".

 

Em 30 de abril, Roh Moo-hyun compareceu ao escritório da Promotoria em Seul para depor sobre o envolvimento em um escândalo de suborno.

 

O ex-governante era suspeito de ter recebido US$ 5 milhões de um empresário sul-coreano quando presidia o país.

 

Em dezembro de 2008, seu irmão mais velho, Roh Gun-pyeong, foi detido por supostamente aceitar um suborno em troca de um favor empresarial para a construtora Daewoo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.