Roma constrói uma reprodução do Teatro Globo, de Shakespeare

William Shakespeare fez com que quase metade de suas obras se passassem na Itália. Agora, Roma está homenageando-o com a construção de uma réplica fiel do Teatro Globo, do século 16, onde realmente se passaram suas peças mais famosas. A partir de outubro, os espectadores podem emprestar seus ouvidos às obras-primas do maior autor inglês, um dos gênios do mundo, em meio aos gramados, arbustos e árvores da Villa Borghese, um dos mais belos parques da cidade, ao lado do antigo palácio de uma família patrícia, hoje transformado em museu. O cenário não poderia ser mais apropriado: A poucos quilômetros, está o Fórum Romano, onde Marco Antônio rogou ?emprestem-me seus ouvidos? a seus concidadãos, falando sobre o corpo morto de Júlio César.?É um grande iniciativa cultural e, ao mesmo tempo, um tributo a uma importante estrutura?, diz o responsável pelo projeto, Giuseppe Vigiano.?Precisamos um teatro como esse na Itália?, acrescenta. ?Um teatro de palavras, onde os atores sejam capazes de expressar-se apenas com sua voz e atuar, sem cenários, luzes ou microfones, exatamente como o teatro era em sua origem.?A estrutura de madeira será inaugurada dia 15 de outubro, com Romeu e Julieta, a história clássica do amor proibido, passada em Verona, norte da Itália.Embora não seja certo se Shakespeare, que viveu de 1564 a 1616, tenha alguma vez visitado a Itália, quase metade de suas peças passam-se em cidades e paisagens dispersas pela península. Acredita-se que o Globo original tenha sido inaugurado com a apresentação de Júlio César, cujo cenário é, naturalmente, Roma antiga.O teatro foi aberto ao público em 1599 para ser destruído em 1613, por um incêndio. Depois de ser reconstruído, operou até 1642, quando foi fechado por uma onda de puritanismo que atingiu a Inglaterra.A cópia romana, entretanto, não será tão fiel quanto a réplica da casa de espetáculos do dramaturgo inglês construída em Londres, em 1996, nas margens do rio Tâmisa, a poucas centenas de metros de onde, outrora, erguia-se o teatro original.A despeito de suas preocupações com acurácia, os construtores italianos tiveram de fazer concessões à regras de segurança sobre materiais de construção e saídas de emergência, diz Viggiano. Como resultado, o Globo romano acolherá apenas 1.400 espectadores, umas poucas centenas menos de que a réplica inglesa.Mas, exatamente como o Globo original, o teatro romano é uma estrutura circular de três andares construída à volta de um pátio ao ar livre que tem um palco nu, de madeira. O público se sentará em bancos, nas três galerias circundantes, ou ficará de pé, no pátio, em frente ao palco.Esta é uma característica do teatro elizabeteano. Os espectadores comprimidos ao pé do palco freqüentemente tomam parte na ação, respondendo às piadas da peça ou sendo reconhecido pelos atores. A temporada do Globo de Roma se desenrolará da primavera ao outono, apresentando principalmente obras de Shakespeare em tradução para o italiano.?Mas nada nos impedirá de levar algumas peças em inglês, ou ?contaminar? o teatro com outras peças?, diz Viggiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.