Roma oferece bases e espaço aéreo para ataque ao Iraque

A Itália está disposta a oferecer aos EUA apoio indireto em caso de uma ação militar no Iraque, declarou o ministro da Defesa, Antonio Martino. O governo italiano colocará à disposição dos americanos o espaço aéreo e as bases nacionais, acrescentou o ministro, ao falar perante a Comissão de Defesa do Senado e da Câmara italianos. Martino explicou que, por parte dos EUA, serão necessárias "várias semanas" para a avaliação do relatório sobre armamentos apresentado pelo Iraque - um tempo que servirá ao governo de Washington para manter consultas com os outros membros do Conselho de Segurança da ONU e com seus principais aliados. "No âmbito desses contatos os EUA estão efetuando uma consulta preventiva com mais de 50 países para verificar sua disposição em aderir a uma coalizão internacional, caso se decidam a usar a força", disse. "Nesse âmbito, também a Itália foi consultada sobre que tipo de colaboração poderia oferecer", destacou Martino."Até o momento, não se prevêem contribuições militares específicas para a intervenção - tema que deverá interessar o Parlamento -, mas apenas um apoio indireto à ação, com a utilização do espaço aéreo e das bases nacionais", declarou. Em setembro, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, apelou para que a comunidade internacional não permanecesse inativa diante do regime iraquiano de Saddam Hussein, dizendo que a guerra deveria ser evitada, se possível, mas que a inação "poderia ter custo incalculável em termos históricos". Na ocasião, Berlusconi não havia dito qual poderia ser o papel da Itália em uma possível iniciativa militar, mas insistiu em que o interesse de seu país era o de manter a aliança com os EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.