Romney busca voto da classe média em Nevada

Após vitória na Flórida, ex-governador diz que seu foco nas próximas prévias republicanas não são os pobres, que 'já têm assistência' do governo

DENISE CHRISPIM MARIN, ENVIADA ESPECIAL / MIAMI, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2012 | 03h08

Embalado por sua vitória na Flórida, o moderado Mitt Romney voltou-se ontem para a primária republicana de Nevada, marcada para sábado, sem deixar dúvidas sobre o alvo de sua campanha. "Não estou preocupado com os muito pobres, porque eles têm uma rede de assistência social. Minha campanha tem como foco os americanos de classe média", disse o ex-governador de Massachusetts na manhã de ontem à rede CNN.

O tema escolhido por Romney toca o terreno explorado pelo presidente americano, Barack Obama, em seu discurso sobre o Estado da União. Em linha contrária à do presidente, Romney tende a reforçar sua rejeição a essas políticas, numa tentativa de conquistar o apoio de líderes e eleitores mais à direita em seu partido. "Você pode colocar seu foco nos ricos. Esse não é o meu foco. Você pode colocar seu foco nos mais pobres. Esse não é o meu foco. Meu foco está nos americanos da classe média", insistiu em entrevista à TV CNN.

Romney venceu a primária da Flórida com 46,4% dos votos e conquistou mais 50 delegados para a Convenção Nacional Republicana, em agosto. Para garantir a nomeação do partido, o pré-candidato precisa obter 1.114 delegados - o que lhe daria o direito de disputar a eleição de novembro contra Obama.

Newt Gingrich, ex-presidente da Câmara dos Deputados, ficou em segundo, com 31,9% dos votos. O ex-senador Rick Santorum, com seu discurso mais à direita em temas morais, conquistou 13,3% dos votos. O deputado federal Ron Paul, mais independente na área de política externa, obteve 7%.

O terreno eleitoral em Nevada ainda é desconhecido. A mais nova pesquisa de opinião, do Las Vegas Review-Journal, de dezembro, mostrou Romney com 33% das intenções de voto, seguido por Gingrich, com 29%. Paul, que assim como Romney disputou as prévias partidárias de 2008, teria 13%. Santorum, apenas 3%.

Em 2008, em Nevada, Romney venceu o senador John McCain, escolhido depois o candidato do partido. O fato de ser mais conhecido pelo eleitorado republicano de Nevada dá a Romney alguma vantagem. O discurso em favor da classe média deve ajudá-lo no Estado, ainda afetado pela crise financeira de 2008. A taxa de desemprego em Nevada é de 12,6%, ou seja, 4,1 pontos porcentuais acima da média nacional. A atividade dos setores de turismo (cassinos e hotéis) e da construção civil ainda sofre para se recuperar da crise.

Ontem, Romney, Paul e Gingrich encontraram-se com eleitores no Estado. Romney mantém comitês de campanha em Nevada desde o fim do ano passado. Gingrich começou a montar sua estrutura apenas no último fim de semana, em grande desvantagem. Paul já havia desistido da disputa na Flórida para concentrar-se no Estado, enquanto Santorum está agora no Colorado, que realiza sua prévia na terça-feira.

Nevada será a primeira de uma série de primárias em Estados nos quais o eleitorado é menos comprometido com a causa dos partidos e seus políticos - as prévias seguintes do calendário são as de Maine, Colorado, Minnesota, Michigan e Arizona.

A vitória de Romney nessas disputas dependerá da sua capacidade de agregar um eleitorado propenso a votar em Paul e em Santorum - e de absorver o apoio desses pré-candidatos.

Gingrich tem a mesma ambição, de unificar os conservadores "contra Romney", como afirmou em seu discurso na Flórida. Nem Paul nem Santorum deram sinais de que abandonarão a corrida, mas felicitaram Romney - algo que Newt Gingrich se negou a fazer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.