Romney conquista delegados para nomeação

Em menos de 6 meses, ex-governador derrubou 7 rivais e está tecnicamente empatado com Obama nas pesquisas de intenção de voto para novembro

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2012 | 03h02

Em menos de seis meses, o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney derrubou sete concorrentes e chegou sozinho à primária republicana de ontem no Texas. Nesse Estado, um dos mais conservadores dos EUA e detentor de 155 delegados para a convenção do partido, Romney fecha as contas necessárias para ser aclamado oficialmente, em agosto, o concorrente de Barack Obama na eleição presidencial de novembro.

Romney, de 65 anos, é o primeiro mórmon candidato à presidência dos EUA desde que o fundador da religião, Joseph Smith, foi assassinado em uma prisão, em 1844, durante sua campanha eleitoral. Pesquisas recentes o posicionam em empate técnico com Obama. A média das consultas de opinião calculada pelo Real Clear Politics (RCP) o mostra com 43,6% das intenções de voto. O presidente tem uma vantagem de apenas dois pontos porcentuais.

O republicano tem concentrado seus discursos na economia, o tópico decisivo da eleição, e se apresentado como o mais capacitado para resolver os problemas do país por causa de sua experiência empresarial. Nos anos 80 e 90, Romney presidiu a Bain Capital, empresa dedicada à compra de companhias, para sua reestruturação e venda.

Durante o auge das primárias, Romney fora atacado por seus concorrentes republicanos por ter feito fortuna com a demissão de milhares de americanos. A mesma munição tem sido usada atualmente por Obama. O candidato fez algumas apostas igualmente perigosas nos últimos meses. Abandonou seus princípios moderados e abraçou posições mais radicais para ganhar o apoio do Tea Party e dos eleitores evangélicos.

Romney prometeu eliminar a reforma da Saúde promovida por Obama, embora tenha proposto e sancionado legislação semelhante quando governou Massachusetts, e acabar com a lei de regulação do mercado financeiro, de 2011. Também quer manter a redução de Imposto de Renda para a fatia mais rica da população. Dono de uma fortuna de cerca de US$ 250 milhões, ele confirmou que paga uma alíquota de 15% de Imposto de Renda. O porcentual para os americanos de classe média é de 35%. Na Flórida, em janeiro, ele afirmou que não está "preocupado com os muito pobres".

Até o final de junho, haverá primárias nos sete últimos Estados do calendário eleitoral, entre os quais Califórnia e New Jersey. Mas seus resultados já não afetarão a escolha republicana. Com o Texas, ontem, Romney superou os 1.144 delegados necessários para ser aclamado pelo partido, seja qual for o método de cálculo usado. Nas contas do New York Times, teria acumulado 1.241 delegados. Nas do RCP, 1.219.

Ontem, as primárias não mais o afligiam. Romney fizera campanha de manhã em Craig, no Colorado, e seguira para dois eventos em Las Vegas, Nevada. O mais polêmico foi um jantar de arrecadação de fundos organizado pelo magnata republicano Donald Trump, que quase se candidatara à corrida do partido à Casa Branca. "Só eu posso fazer esse trabalho", afirmara Trump, no início do ano passado, após levantar suspeitas infundadas sobre Obama ter nascido no Quênia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.