Jason Redmond/AP
Jason Redmond/AP

Romney diz que endurecer controle de armas não evitará massacres

Para candidato à presidência dos EUA, o desafio são as pessoas que fazem 'coisa impensáveis'

estadão.com.br,

23 de julho de 2012 | 21h32

WASHINGTON - O virtual candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano, Mitt Romney, afirmou nesta segunda-feira, 23, que executar leis mais estritas sobre o controle de armas não teria impedido o massacre que aconteceu na sexta-feira passada em um cinema da cidade de Aurora, no Colorado. "Sigo acreditando que a Segunda Emenda é o caminho correto para proteger-se e defender-se, e não acho que uma nova legislação mude este tipo de tragédia", disse o ex-governador de Massachusetts em entrevista concedida à rede de televisão CNBC.

Veja também:

link Homem é preso após ir armado assistir a 'Batman' nos EUA

link Três dias após ataque, atirador do Colorado se apresenta ao tribunal

"Nosso desafio não são as leis, nosso desafio são as pessoas que, obviamente, estão fora da realidade e fazem coisas impensáveis, inimagináveis, inexplicáveis", acrescentou. A Segunda Emenda da Constituição legaliza o direito dos americanos à posse de armas e a Corte Suprema sempre se mostrou a favor das tentativas de alguns Estados e cidades em limitá-lo.

O massacre do Colorado, que provocou a morte de 12 pessoas, foi o que deixou mais vítimas, 71 pessoas entre mortos e feridos, na história dos Estados Unidos e reabriu o debate sobre a posse de armas no país.

Romney insistiu que os legisladores deveriam esperar e não apressar-se em mudar a política de controle de armas após o episódio ocorrido no Colorado. "Sou um firme defensor da Segunda Emenda e também acho que, com as emoções tão à flor de pele, este não é realmente o momento para falar da política associada com o que ocorreu em Aurora", continuou.

O atual presidente dos EUA, Barack Obama, visitou no domingo, 22, as vítimas do tiroteio, mas evitou questionar as leis que permitiram ao atirador adquirir seu arsenal. Momentos antes de chegar a Aurora, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney assegurou que o presidente acredita ser preciso "tomar medidas para manter as armas longe do alcance de pessoas que não deveriam ter acesso a elas com as leis existentes", mas Obama não tocou no assunto.

No final de 2011, 73% dos americanos se mostravam contra a proibição da posse de armas de fogo no país aos cidadãos que não sejam membros da polícia ou tenham uma autorização especial, segundo uma enquete do Instituto Gallup.

O estudo destacou que os 26% favorávis a proibir a posse de armas foi um recorde mínimo em 2011, já que 20 anos atrás a opinião favorável à proibição era de 41%.

Com Efe 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.