Richard Carson/Reuters
Richard Carson/Reuters

Romney faz campanha para persuadir eleitores negros

O candidato do partido Republicano fo vaiado ao prometer desfazer a reforma da saúde realizada por Obama

AE, Agência Estado

11 de julho de 2012 | 14h07

HOUSTON - O candidato do partido Republicano à presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, discursou nesta quarta-feira, 11, para a Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor, em uma tentativa de persuadir eleitores negros. A ênfase de sua fala foi na economia, mas ouviu vaias quando prometeu desfazer a reforma do sistema de saúde realizada pelo governo Obama.

Veja também:

video TV ESTADÃO: Mitt Romney sob vaias

link Obama tenta seduzir classe média com corte de tributo

link Dinheiro arrecadado por Romney provoca desespero em Democratas

"Eu vou acabar com todo programa caro e desnecessário que encontrar, e isso inclui o ''Obamacare''", disse Romney, que então esperou e sorriu enquanto a multidão expressava seu desagrado. Ele foi aplaudido várias vezes, mas enfrentou outra rodada de vaias quando criticou o presidente Barack Obama, que ganhou 95% dos votos de eleitores negros nas eleições de 2008. Obama é o primeiro presidente afro-americano dos EUA e espera amplo apoio na eleição de novembro.

Republicanos e democratas disseram que só o fato de Romney falar com o mais antigo grupo de direitos civis do país já significa algo. Seu discurso tentou mostrar a eleitores independentes e indecisos que sua campanha é inclusiva. "Se oportunidades iguais fossem uma realidade na América, então a economia cronicamente ruim seria igualmente ruim para todos", afirmou ele. "No entanto, ela é pior para os afro-americanos em quase todos os aspectos."

A economia é o principal fator na eleição presidencial. E com o desemprego no país em 8,2%, é uma área onde Obama é especialmente vulnerável. Entre a população negra o índice é maior ainda: 14,4%. Romney, por sua vez, defende que é o mais indicado para criar empregos.

Com Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.