Reuters
Reuters

Romney retoma campanha; Obama visitará vítimas

Republicano fez discreta aparição em Ohio enquanto o presidente recebeu relato dos danos

Denise Chrispim Marin, correspondente em Washington,

30 de outubro de 2012 | 21h15

WASHINGTON - A campanha eleitoral será retomada nesta quarta-feira com força pelo republicano Mitt Romney, depois de dois dias de suspensão em razão da tempestade Sandy, com comícios na Flórida, Estado crucial para a eleição do dia 6. No comando das operações de resgate e de recuperação das áreas afetadas, o presidente Barack Obama visitará os locais mais devastados no Estado de New Jersey. Oficialmente, seu dia de campanha está cancelado.

Veja também:

tabela ESPECIAL: Eleições nos EUA

blog Imagens da passagem do Sandy

Nesta terça-feira, 30, Romney fez discreta campanha em Ohio, outro Estado decisivo. Obama recebeu o relato minucioso dos desastres, conversou com governadores e prefeitos de regiões devastadas e visitou a sede da Cruz Vermelha em Washington. Nesse local, recomendou à população manter-se obediente às autoridades locais e determinou às agências públicas de energia e de transportes restaurar os serviços o mais rápido possível, sem escusas. "A mensagem mais importante que eu tenho para elas (as famílias atingidas) é que a América está com vocês. Estamos a seu lado e vamos fazer tudo o que pudermos para você se levantar", disse o presidente.

Obama retoma oficialmente a campanha apenas quarta-feira, com comícios em Las Vegas, no Estado de Nevada. Embora ele e Romney tenham evitado aparições em eventos eleitorais nos últimos dias, suas campanhas continuaram nos Estados-chave, como Flórida e Ohio.

O impacto da passagem do Sandy para cada candidato ainda é incerto. A possibilidade de postergação do dia da eleição, em razão das dificuldades trazidas pelo furacão para eleitores da Costa Leste americana alcançarem as urnas, foi levantada. Mas dependeria de uma convocação extraordinária do Congresso para votar a anulação de uma lei que estabelece a primeira terça-feira depois de 1.º de novembro como o dia da eleição. Em alguns Estados, como Virgínia, não há previsão constitucional para a mudança de data.

Pesquisas esperadas para os próximos dias devem apontar o efeito do Sandy sobre o processo eleitoral. Segundo o analista político conservador Michael Barone, há indicações de mais dificuldade de Obama em motivar o eleitor a votar antecipadamente - medida permitida e em curso em 29 Estados e na capital americana. Em parte, pelo fato de sua candidatura não ter o mesmo componente da de 2008.

Esse desestímulo, para o analista, deve trazer impacto mais forte sobre a votação de Obama e favorecer Romney. A queda na votação antecipada nas áreas mais afetadas por Sandy de Nova York, de maioria democrata, e de New Jersey, de maioria republicana, não deve mudar o quadro atual. Da mesma forma, a suspensão da votacão antecipada em Washington e nos Estados de Virgínia e Maryland deve trazer efeito apenas marginais.

"Todo mundo que quer votar antes ou no dia da eleição vai votar do mesmo jeito", afirmou. "Mas, entre os desestimulados a votar, Romney pode ganhar pontos mais facilmente do que Obama."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.