Romney tenta unificar partido em 2ª prévia

Os republicanos chegam divididos à primária de New Hampshire, na terça-feira. O favorito é o ex-governador de Massachusetts, o moderado Mitt Romney, que tem 38% das intenções de voto. Não há, ainda, sinais de consenso sobre qual dos três principais candidatos seria capaz de vencer o presidente dos EUA, Barack Obama, na eleição de novembro.

DENISE CHRISPIM MARIN , CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2012 | 03h04

Seis candidatos estarão na disputa em New Hampshire. Michele Bachmann, representante da direita radical, desistiu da corrida depois de seu fracasso na prévia de Iowa, na última terça. Entre os eleitores, três vertentes se destacam desde Iowa, segundo John Zogby, diretor do instituto de pesquisas de opinião JZ Analytics.

Os mórmons Romney e Jon Huntsman, ex-governador de Utah e ex-embaixador do governo Obama em Pequim, atraem os conservadores moderados. Ron Paul, deputado federal, atraiu independentes e jovens com sua doutrina de um Estado mínimo. O extremismo cristão é o bordão eleitoral do ex-senador da Pensilvânia Rick Santorum, segundo colocado e estrela da disputa em Iowa.

"Há real possibilidade de Romney vencer em New Hampshire. A questão é se ele poderá unificar o partido para derrotar Obama", afirmou Zogby. "Não creio que os eleitores de um dos grupos possam transferir seus votos a outro candidato."

Em Iowa, Romney venceu Santorum, apoiado por bispos evangélicos radicais, por apenas oito votos. Paul veio logo atrás. Pesquisa feita pela JZ Analytics no dia 4 em New Hampshire dá o favoritismo para Romney, com 38% das intenções de voto. Paul vem em segundo, com 24%, e Santorum aparece em terceiro, com 11%. O resultado dessa etapa, segundo o analista, definirá a capacidade de exposição dos principais concorrentes à mídia e de arrecadar fundos para suas campanhas. Os piores colocados tendem a desistir.

Favoritismo. "Romney parece estar forte em New Hampshire. Não vejo ninguém com chance de batê-lo", afirmou Thomas Mann, analista do Brookings Institution, já atento às próximas etapas. "Romney será ajudado por todos os conservadores, que dividirão os eleitores contrários ao ex-governador de Massachusetts. Se ele ganhar na Carolina do Sul, é quase certa a sua vitória na Flórida e a sua indicação como o concorrente republicano de Obama."

Mann não vê o governador do Texas, Rick Perry, nem o ex-presidente da Câmara dos Deputados Newt Gingrich no caminho de Romney, que na eleição de 2008 perdeu a indicação para John McCain. Ambos estão sendo "empurrados para fora do palanque" pela ala mais conservadora do partido, desejosa de concentrar forças na campanha de Santorum, enquanto o establishment reforça seu apoio a Romney. "Santorum é a única chance de deter Romney", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.